quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

A ditadura da rosificação - Postado por Jairo Len

O título do post de hoje tem nome de livro...
Sempre coloco para as mães e pais que em literatura e psicologia pediátrica, não há limites - sempre tem gente lançando livros e campanhas contra e a favor de tudo...

Na Inglaterra, duas irmãs de 38 anos de idade, Emma e Abi Moore, lançaram a campanha "PinkStinks" ("Rosa cheira mal"), para desafiar "a cultura do rosa baseada na beleza, e não na inteligência, que é imposta às meninas desde o berço". Elas querem que as meninas sejam e gostem "daquilo que quiserem, e não do que é imposto". À cultura do rosa, desta imposição, elas deram o nome de "rosificação". Não especificamente à roupa rosa, mas ao tratamento e orientação super-femininos que as meninas tem. Até que a campanha tem um lado interessante, que é o de mostrar a importância de valorizar tudo o que uma criança tem de bom, todo seu potencial.

O que você acha?

Particularmente acho que o ideal é ficar "cada um no seu quadrado".

O jeito de educar os filhos é individual. Depende de como o pai e a mãe foram educados. O jeito de vestí-los, idem. Se a mãe gosta de rosa-bebê ou vermelho-versalhes, ótimo. Se fica feliz de ver sua filha com vestido xadrex Burberry, lindo. Se quer vestir no estilo hippie-chique (ou não chique), problema é dela.

Com o tempo, os pais percebem que seu poder de escolha pelo que os filhos devem gostar é limitado. Cabe à nós ensinar, a duras penas, o que julgamos adequado. As crianças assimilam demais o nosso modo de viver - de falar, agradecer, ser amável e se fazer respeitado.
Nenhuma menina vai deixar de estudar e ser intelingente porque sua mãe a vestia de rosa, nem será uma Barbie quando crescer por esta causa.
A educação é muito maior do que isso.
Por curiosidade, o site das revolucionárias inglesas é http://www.pinkstinks.co.uk/.

Um comentário:

  1. Jairo, vc é único!!!!Amamos você!!!!Obrigado por tudo. André Longarço (pai da Gabriela)

    ResponderExcluir

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.