terça-feira, 6 de julho de 2010

Mutilação genital feminina - Postado por Jairo Len

Um assunto que está muito longe da nossa realidade (Brasil), mas que é preciso ser conhecido por todos. Não acho que a gente consiga mudar esta condição... Mas o primeiro passo é a indignação, o conhecimento, a "não-ignorância".
Mutilação genital feminina (MGF) - é uma prática adotada em diversos países da África e Oriente Médio, e consiste literalmente na mutilação dos órgãos genitais femininos, especificamente para que a mulher não sinta desejo nem prazer sexual. A mutilação é feita logo ao nascimento, podendo ser realizada até os 15 anos de idade...
Existem quatro tipos de MGF:
Tipo 1 - a remoção total ou parcial do clitóris,
Tipo 2 - é a retirada do clitóris e dos pequenos lábios,
Tipo 3 - estreitamento do orifício vaginal pela criação de uma membrana "selante", corte ou aposição dos pequenos lábios e/ou dos grandes lábios (a chamada infibulação),
Tipo 4 - qualquer outra forma de intervenção por razão não médica (sabe Deus o quê...).

A intenção é, com a diminuição do prazer sexual, diminuir os casos de infidelidade conjugal, preservar a virgindade e aumentar o valor das filhas, que são vendidas ainda jovens para os seus futuros maridos, décadas mais velhos.
Obviamente o procedimento traz inúmeros riscos à saúde da recém-nascida (infecções e necrose local) e aumenta em 55% a mortalidade dos filhos destas mães, no momento do parto, no futuro...
A grande polêmica que reacendeu a chama da MGF foi uma nota da Academia Americana de Pediatria (AAP) recomendando que os pais (imigrantes que vivem nos EUA) deixem que médicos façam este procedimento ao invés de mandar suas filhas para o país de origem (na África) para ser feito conforme a tradição. A AAP já retirou a nota de circulação. O que você acha? Mais uma vez eu admiro a AAP.
É como a liberação do aborto. No Brasil são feitos 2 milhões de abortos ao ano, a gigantesca maioria sem qualquer condição de higiene. A curetagem pós-aborto é o segundo procedimento ginecológico mais realizado nos hospitais brasileiros. Quantas meninas/mulheres morrem ao ano por causa de abortos mal-praticados? Tenho certeza que você conhece alguma mulher que provocou um aborto (pelo simples fato de não desejar a gravidez) mas pode fazê-lo em condições adequadas de higiene e acompanhamento médico. Quem morre "de aborto" são as meninas mais pobres.

A MGF é erroneamente chamada de circuncisão feminina - a circuncisão é a cirurgia que retira só o prepúcio, a pele que recobre a glande peniana ou clitoriana. Sua retirada (nos meninos) não diminui o prazer sexual e é feita exclusivamente por motivos de higiene e saúde. A meu ver, quem melhor realiza este procedimento são os médicos. Tenho uma enorme casuística sobre circuncisão masculina e inúmeros casos infelizes realizados por não-médicos. Entendo a posição da Academia Americana de Pediatria em relação à mutilação genital feminina.

Felizmente, apesar da aparente inércia mundial sobre o tema, existe uma campanha enorme contra a MGF, desde ONGs, associações médicas e a OMS. Dê uma olhada na página da OMS sobre este assunto. Conteúdo em espanhol ou inglês.

O continente da Copa do Mundo.

Um comentário:

  1. Absurdo e revoltante, isso porque estamos no século 21...
    Roberta
    http://www.familiamimi.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.