segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Papinhas Prontas - Postado por Jairo Len

Na época de férias reiniciam-se os debates calorosos sobre as papinhas prontas (no Brasil, só da Nestlé) versus papinhas feitas em casa - qual é melhor?
A nova geração de mães não tem muito preconceito, mas algumas avós quase infartam quando eu digo que o uso das papas industrializadas não tem qualquer problema.
Há estudos científicos mostrando que o valor nutricional das papas prontas é superior ao da papa caseira.
"Porque? Impossível!"... é o que eu sempre ouço. Não é impossível, porque a Nestlé usa legumes e verduras selecionados, faz cozimento em vapor de alta temperatura, rápido resfriamento...enfim, técnicas que sabidamente preservam os nutrientes. Não tem corantes nem conservantes artificiais.
O único problema que eu vejo é que a grade de papinhas, no Brasil, é pequena.
São oito tipos de "sopas" e quatro das "papas" semi-sólidas. Algumas crianças não aceitam nenhuma delas, outros, depois de provar, não aceitam mais as papas caseiras. Mas a maioria se dá bem no uso esporádico, aonde não vejo nenhuma restrição no quesito nutricional.
Vale para as papas de frutas e para as salgadas.
Quem mora nos Estados Unidos tem mais opções e menos preconceito em usar estes alimentos. Além, claro, da praticidade. É bem mais fácil fazer papinhas em casa quando há uma cozinheira que as faça, lave panelas e recipientes, e uma babá para cuidar da criança.

No dia-a-dia da Clínica vejo que existe de tudo. Mães que fazem questão de - elas mesmas - preparar as papinhas dos seus filhos, outras que a babá ou a cozinheira elaboram, muitas que as avós preparam (e as crianças só aceitam as papinhas feitas pelas avós), outras compram papas "caseiras" congeladas (ótima opção de emergência!!) e, por fim, as que me confidenciam que "só vão usar papinhas Nestlé".
Tenho certeza que todas crescerão bem nutridas, e que o problema alimentar das criança foge desta polêmica.

O problema alimentar aparece depois das papinhas...


Um comentário:

  1. Jairo, tenho 36 anos e minha mãe já naquela época me dava papiha Nestlè por recomendação do pediatra. Eu e meu irmão crescemos saudáveis, nunca tivemos nada grave e não tenho qualquer recordação de ter ido a um hospital quando criança. Hoje o que mais vejo é criança com todos os tipos de "ites" possíveis: rinite, sinusite...O que faz mesmo a diferença são os habitos alimentares da família, como comer moderadamente e com diversidade. Aqui em casa não tem bolacha recheada, salgadinhos e outras tranqueirinhas...sabe por que? Porque meu filho não gosta, não liga e não porque não deixamos ele comer mas porque não criamos o hábito de ter estas coisas em casa.

    ResponderExcluir

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.