sexta-feira, 6 de maio de 2011

Qual vacina? - Postado por Jairo Len

Desculpem a repetição do assunto, mas escrevo sobre "tipos de vacina" novamente porque, nesta semana, respondi algumas vezes perguntas como essa:
"Na empresa que trabalho vão vacinar contra gripe...com a vacina do Instituto Butantan...Devo fazer ou procuro uma clínica particular?"
Na minha opinião, as vacinas produzidas nos laboratórios como a GSK (Bélgica), SanofiAventis (França) e Novartis (EUA) tem uma qualidade melhor. Quem pode pagar por elas, deve preferi-las. Particularmente para influenza, o preço não é elevado.


Você escolhe a dedo a marca de linguiça e salsicha que seus filhos comem, o sabonete e a pasta de dente que usam, a marca de palmito. Confia na marca, no produtor. Como escolheria um "vírus vivo atenuado" para ser aplicado no seu filho??

Como não conheço a fundo o Instituto Butantan, vou transcrever, sem alterar um pingo, a entrevista que o Dr. Jorge Kalil deu à revista Veja meses atrás. O pequisador, diretor do Instituto Butantan, é uma dos maiores nomes em imunologia no Brasil e do mundo:

O Senhor assumiu a presidência do maior fabricante de vacinas do país, o instituto Butantan. Por que o Brasil exporta apenas 5% de sua produção total?
Nosso processo de produção precisa se adequar aos padrões de qualidade estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde. A OMS exige, por exemplo, que cada etapa da fabricação da vacina seja feita em um ambiente com o sistema de ar condicionado isolado, o que reduz drasticamente o risco de contaminação do produto. Não temos isso. Aqui, todas as salas estão ligadas a um único sistema. O mesmo vale para as roupas utilizadas pelos pesquisadores que devem ser trocadas a cada etapa da produção da vacina. Nós também não temos isso. A OMS preconiza que o número de partículas de detergentes usados na limpeza das salas e dos materiais seja o dobro do que temos hoje. Todas essas adequações lá estão em andamento. Até 2015 o número de doses produzidas, hoje na casa de 200 milhões ao ano, vai dobrai - e poderemos exportar mais.
O não cumprimento das exigências da OMS influencia a qualidade da vacina brasileira?
Na eficácia, não. Nossas vacinas são tão boas quanto quaisquer outras produzidas pelos grandes laboratórios internacionais. A diferença está nos eleitos colaterais. Em geral, independentemente do local onde são fabricadas, elas podem causar um quadro leve de febre ou diarreia. Se, durante o processo de fabricação, sobra um restinho de micro-organismo, essas reações adversas tendem a se agravar - o que, apesar de prejudicar a ação da vacina, pode comprometer a adesão aos programas de imunização. Atualmente, com as nossas vacinas, a incidência desses sintomas mais severos é de um caso em I milhão. Com as novas normas, a expectativa é que eles ocorram em apenas uma em cada 10 milhões de pessoas vacinadas.

Para não dizer que é cisma, gostaria de dizer que acho o Butantan um dos melhores e interessantes passeios que você pode fazer com os seus filhos, um lugar que todos devem conhecer. A arquitetura "art deco", o serpentário, o museu e o belo parque no entorno. Vale a pena.


Trabalhos do artista romeno Istvan Laszlo. Diferente das obras dele, nem tudo "por dentro"
é parecido com o que podemos enxergar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.