sexta-feira, 27 de maio de 2011

Vacina contra HPV para homens - Postado por Jairo Len

A vacina contra o Papilomavírus humano (HPV) está aprovada e recomendada para os homens (9 a 26 anos). Esta vacina já é usada há alguns anos em mulheres, protegendo contra o HPV, um vírus que causa verrugas genitais e câncer de colo uterino (nelas) e câncer no pênis (neles). Em ambos, aumento significativo de câncer faríngeo e oral.
Da série "salve-se quem puder", inicialmente só se recomendava a vacina em meninas e mulheres - mantendo os transmissores (homens) livres do ônus. Justiça foi feita, e eles também devem ser vacinados.
Brincadeiras à parte, a doença também é séria nos homens, ainda que bem mais frequente em mulheres (5 a 10 vezes mais).
Como todas as doenças sexualmente transmissíveis, as mulheres tem maiores chances de aquisição, por conta da extensa área de mucosa.

Tabu
Nos primeiros anos da vacina em meninas, posso confessar que muitos pais achavam "um absurdo" aos nove, dez ou doze anos suas filhas serem vacinadas contra uma doença sexualmente transmissível (DST).
Aos poucos fomos convencendo um a um - dizendo que a primeira vacina contra DST a gente recebe assim que nasce - como é o caso da hepatite B.
Vacinar contra HPV não é "liberar" os adolescentes para a vida sexual, e sim protegê-los.
Quando as meninas perguntam, lá na Clínica: "mas porque eu devo tomar esta vacina?" - a resposta é que esta vacina protege de uma doença muito importante e que todos os adolescentes devem tomar. Não aplicamos antes porque existe uma idade mínima, que é 9 anos.

A vacina aprovada é a Gardasil (MSD, EUA), que já usamos habitualmente na Clínica Len.
A proteção é feita em 3 doses, com intervalo de 2 meses (entre a 1ª e a 2ª dose) e 4 meses (entre a 2ª e a 3ª dose).
Todas as clínicas particulares de São Paulo possuem a vacina. O governo infelizmente não fornece a vacina nos postos de saúde - prefere arcar com o gigantesco custo do tratamento da doença e suas consequências.
A diferença entre homens e meninos é o preço dos seus brinquedos. Precisamos prepará-los para esta transição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.