segunda-feira, 13 de maio de 2013

Bebês sem fraldas - Postado por Jairo Len

Ninguém mandou ficar assistindo o Fantástico... Mas uma das minhas curiosidades ontem era justamente ver a reportagem "mães optam por criar filhos sem fraldas". 
Entre o patético e o psiquiátrico, a reportagem mostrou algumas mães, com jeito aparentemente normal, adeptas a uma nova (ou antiquíssima) técnica de deixar seus filhos, desde recém-nascidos, sem fraldas.

A técnica não foi inventada há pouco, existem sites e grupos pelo mundo a favor de não se usar fraldas. "Free eliminations", usando-se fralda raramente - e, claro, fraldinhas de pano, não-descartáveis.

Mas a reportagem do Fantástico vale ser vista: os pais percebem nas expressões do seu bebê de 2 meses que ele quer evacuar... Correm para a pia (lugar ótimo para isso), ou um penico, um balde e lá seguram seus filhotes para evacuar ou urinar.
De acordo com os grupos oficiais a favor disso, não se trata de "treinamento de penico", o que todos sabem que, se feito na hora inapropriada, pode trazer consequências negativas para a criança.


Para estes pais, isso aumenta muito o vínculo com seus filhos - afinal os pais tem que ficar 18 horas por dia olhando a expressão dos seus filhos. Bom para quem não tem mais absolutamente nada para fazer. 
Não julgo que este tipo de "afeto" é que seja importante para um bebê.

De qualquer forma, tenho minhas dúvidas se realmente estes pais fazem mesmo isso, o dia inteiro. É evidente (quem tem filhos sabe disso) que muitas vezes se percebe quando o bebê que fazer suas eliminações, e é fácil perceber isso - na hora de trocar uma fralda, por exemplo, aguardar um pouco para a criança urinar - confortavelmente, claro, e não levada correndo para ser espremida em um penico.

Enfim... Comentei aqui porque acho que algo que saiu no Fantástico repercute bastante, e merece uma opinião.
Mas continuo achando que, respeitando o Estatuto da Criança e do Adolescente, cada um cuida e educa seus filhos como achar melhor.

Para acessar o link do Fantástico, clique aqui.




 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.