quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Tricotilomania - Postado por Jairo Len

Com alguma frequência, na pediatria, ouvimos a queixa de que "meu filho está arrancando o próprio cabelo", fio a fio, muitas vezes ficando com falhas visíveis no couro cabeludo.

A esse distúrbio crônico que faz com que a pessoa sinta um desejo incontrolável de arrancar seus cabelos dá-se o nome de tricotilomania (TTM) - do grego trico = cabelo; tilo = puxar.

Não se sabe exatamente as causas da TTM, mas se sabe que há fatores genéticos envolvidos, problemas emocionais e desequilíbrios químicos (em neurotransmissores).

Pode ocorrer em crianças a partir de 1 ano, sendo relatado até cerca dos 40 anos de idade. Mas as faixas etárias mais frequentes são entre os 11 e 15 anos, seguido pelos de 6 a 10 anos.

A criança com TTM tem o hábito de ficar enrolando o próprio cabelo, muitas vezes fazendo "nózinhos" e arrancando os fios. Geralmente no mesmo lugar da cabeça, causando falhas no cabelo, muitas vezes grandes. Também é característica da TTM arrancar cílios ou sobrancelhas.
Além do problema estético, muitos ainda ingerem este cabelo retirado, podendo, raramente, ter problemas intestinais sérios (como a obstrução do trato intestinal, que se chama tricobezoar).

Considera-se a TTM um  distúrbio psicológico, não simplesmente um hábito. Entra no grupo dos Transtornos do Controle dos Impulsos. 
E merece tratamento. Na maioria das vezes a terapia comportamental é suficiente. Em raros casos, medicação ansiolítica ou antidepressiva, principalmente nos mais velhos, quando há associação com outras caracterícticas psicológicas, como depressão, tiques ou características obsessivo-compulsivas.





 

2 comentários:

  1. Olá Dr Jairo!! Minha filha de 9 meses tem mania de puxar o próprio cabelo qdo está com sono ou "nervosa"!! Pode ter algo a ver com esse transtorno?! Obrigada!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesta idade, não. É algo característico dos bebês, que deve melhorar ao longo dos meses.

      Excluir

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.