segunda-feira, 26 de outubro de 2015

A falta de vacinas nas clínicas de vacinação - Postado por Jairo Len

Quem tem filhos abaixo de um ano de idade deve estar percebendo uma falta de vacinas, nas clínicas particulares de vacinação.
Especificamente as vacinas produzidas pelo Laboratório GSK (que comprou a parte de imunizações da NOVARTIS), responsável pela maioria das vacinas importadas no Brasil.

Vacinas muito importantes, como a Hexavalente e Pentavalente, que protegem contra difteria, coqueluche, tétano, hemófilus B, poliomielite e hepatite B não virão mais para o Brasil, pelo menos até 2016. Estas vacinas são usadas em bebês de 2, 4 e 6 meses, e crianças de 1 ano e 4 meses.

Algumas clínicas particulares ainda tem estoques, porém pequenos, que logo acabarão.Algumas destas doses podem ser postergadas, outras não (como aos 2 e 4 meses).

Nosso plano B será o uso da vacinação do PNI (programa nacional de imunizações), realizados nos postos de saúde. Nos postos de saúde, salvo em exceções históricas, não costuma ocorrer falta de imunobiológicos.
O esquema vacinal não é tão confortável, porque com 2 e 4 meses temos uma picada a mais, em postos de saúde. Habitualmente estas vacinas que o PNI oferece podem causar maiores reações adversas, mas que são bem administráveis com anti-térmicos.
Mas do ponto de vista de proteção, é igual, mesmas doenças.
O mesmo ocorre com a vacina aplicada entre 4 e 5 anos de idade.

As demais vacinas aplicadas nestas faixas etárias (2-4-6 meses e 16 meses), preferencialmente devem ser realizadas (para quem possa pagar, obviamente) nas clínicas particulares de vacinação.
Não são iguais do ponto de vista de proteção: a Pneumocócica do PNI é 10-valente, enquanto na rede privada usamos a 13-valente (importantíssima no hemisfério sul), e a vacina contra rotavírus do PNI é monovalente (70% de proteção) contra a Pentavalente (99% de proteção) aplicada na rede particular.

Outra vacina GSK/Novartis em falta é a vacina contra meningite B, tema de outros posts. Ainda não regularizou, infelizmente. Ficou só na promessa do laboratório produtor.

Como curiosidade, a GSK alega que devido ao aumento da população mundial (!!!) e a dificuldade técnica de se produzir uma vacina - que demora cerca de 6 a 29 meses por dose - enfrentamos essa falta generalizada de imunobiológicos.

O Brasil investe pouquíssimo nisso, não há nenhum interesse dos grandes produtores mundias de vacinas se estabelecerem por aqui... Aliás, me parece que quem pode está saindo...

Nós continuamos aqui. Firmes e fortes, driblando ou tentando driblar estas adversidades, sempre com muita transparência e respeito aos pacientes e suas famílias.

Utilidade pública: segue abaixo link do PDF da prefeitura de São Paulo com os postos de saúde que fazem vacinações de forma permanente:

POSTOS DE VACINAÇÃO 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.