terça-feira, 6 de setembro de 2016

BLW - Baby-Led Weaning - Postado por Jairo Len

Muitos pais me perguntam sobre o BLW, o Baby-Led Weaning.
Confesso que é mais fácil mais escrever sobre política e religião do que nutrição infantil, uma vez que as reações sobre alimentação infantil são mais xiitas do que se pode imaginar.
Gosto muito do assunto, e é parte da minha rotina, portanto, vamos lá. 

O BLW, tradução de "desmame guiado pelo bebê", é uma técnica alimentar aonde a ideia principal é não oferecer uma papa aos bebês, mas, sim, deixar que eles se sentem à mesa e participem das refeições familiares já a partir dos 6 meses de vida. Os pais colocam os alimentos cortados ao alcance do bebê, e este decide o que, quando e como levar os pedaços à boca. 
O método BLW teve o nome criado pela agente de saúde britânica Gill Rapley, autora do livro Baby-led Weaning: Helping Your Baby to Love Good Food.
No Brasil há dezenas de milhares de seguidores, pelo menos virtualmente, desta técnica.

Ainda que todos os manuais oficiais das sociedades de pediatria e nutrição pelo mundo ainda sejam a favor da introdução alimentar através de papas, os adeptos do BLW e sua criadora acham esta técnica antiquada, que não evoluiu.

Basicamente, no BLW:
- o bebê começa a fazer as refeições junto com a família, sentado em seu cadeirão
- a comida é oferecida picada, em formas e tamanhos que eles sejam capazes de segurá-la com as mãos e levá-la à boca
- para evitar o estresse, escolha uma hora em que não esteja irritado ou com muita fome
- não se deve interferir no ritmo da refeição nem nas escolhas da criança

O que eu penso, do ponto de vista pediátrico?

Não sou muito simpatizante deste método. 
Em primeiro lugar, os bebês não comprem uma mínima pirâmide alimentar se alimentando dessa forma. Impossível introduzir cada grupo, picadinho. Quando você olha todas as fotos lindas de crianças fazendo BLW há sempre cenouras, abobrinha, ervilhas e brócolis nos pratos. Desafio!! Pode dar um google em imagens de BLW (clique aqui) que você vai ver. Obvio que não é esse o princípio do método (o que se vê nas fotos...), mas mesmo assim...

Bebês não vivem disso. São necessários cereais, tubérculos, leguminosas oleaginosas, carne ou frango, e verdura também. Tudo isso pode ser oferecido em papas, grossas, que ao longo das semanas você vai deixando mais pedaçudas, e em poucos meses a criança já se alimenta de comida mesmo, como nós adultos comemos. Mesmo oferecer em pedaços, o que é comum fazermos com as frutas, na mão das crianças, na sobremesa ou lanches, através das "finger-foods". Técnica bem antiga, aliás...!!

É claro que, mesmo nas refeições, a criança deve ganhar autonomia, aprender a comer sozinha, tanto de pegar pequenos alimentos com o movimento de pinça, como usar um talher. Ninguém está falando aqui de dar comida na boca até os 3 anos de idade, e sim ensinar um bebê a comer, como ensinamos muitas coisas para os nossos filhos.  

Comer, do prato e com talheres, é um ensinamento importante desde cedo. O quê vai ser ingerido, a consistência, a qualidade e variedade depende demais dos adultos.

Vivemos em uma sociedade, gostemos ou não. Todos os nutricionistas, de quaisquer ideologias, falam em alimentação balanceada, no dia a dia. Para todos, com alimentos variados de todos os grupos alimentares.

Repare que, pelo menos aqui no Brasil, a maioria dos sites e blogs sobre o assunto são basicamente escritos por não-profissionais do ramo (não são nutricionistas, nutrólogos, agentes de saúde). São experiências de mães que fizeram e fazem a técnica com seus filhos.

Literatura científica - Um estudo publicado no British Medical Journal, em maio de 2016, conclui que crianças alimentadas pelo BLW tem o mesmo aporte de energia, mas maiores aportes de gordura saturada, e menor aporte de ferro, zinco e vitamina B12. O estudo tem um número pequeno de participantes, a meu ver. 
Outro estudo, na mesma revista, de 2012, mostra que o índice de massa corpórea de bebês alimentados por BLW é menor que na alimentação tradicional. Concluem que é porque as crianças ingerem menos carboidratos. Não tenho certeza que isso seja muito bom, uma vez que os alimentos construtores são muito importantes nessa idade (40-50%).

Bom senso é tudo. Crianças não sabem exatamente o que devem comer, todos que tem filhos sabem disso (mesmo os adultos não sabem, muitas vezes!!!). A papas tradicionais devem evoluir rapidamente e entre 8 e 10 meses as crianças devem comer "comida" mesmo, como a que os adultos comem, mas na consistência adequada para a faixa etária.

Há quem faça a técnica "mista", as duas coisas ao mesmo tempo, BLW e tradicional. 

O importante é que podemos fazer com os nossos filhos aquilo que achamos melhor!






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.