terça-feira, 24 de agosto de 2010

Circuncisão - Postado por Jairo Len

O assunto é para discussões infindáveis e eu não pretendo aqui tentar convencer ninguém a ser contra ou a favor - aliás, nunca fui de fazer isso. Na Clínica, lido com uma população de pais e mães de ótimo nível sócio-cultural, que tiveram oportunidade de estudar e aprimorar seus conhecimentos em qualquer assunto. Apesar das discussões sobre circuncisão masculina serem infindáveis, vivemos numa época de livre arbítrio, e é simples decidir isso para seu próprio filho. Cabe ao pediatra expressar sua opinião e expor seus argumentos aos pais - simples, sem complicação, sem mentiras.
Hoje, no UOL, temos duas notícias interessantes: uma delas mostra o declínio das circuncisões nos EUA e a outra mostra algumas estatísticas sobre o câncer de pênis (2% dos cânceres masculinos são de pênis!). O declínio das circuncisões nos EUA se deve a forte campanha dos anti-circuncisão, que a comparam à mutilação genital feminina. Quem leu meu post sobre mutilação genital feminina sabe que uma coisa não tem nada a ver com a outra. Já a reportagem sobre câncer de pênis relaciona a doença à presença de fimose e prepúcio, mesmo retrátil. Os circuncidados apresentam incidência bem menor de câncer de pênis (assim como de infecções urinárias e de DSTs). Relaciona-se o câncer de pênis diretamente à higiene da glande.
No dia a dia, eu coloco os benefícios da circuncisão, inicialmente, pelo incômodo para a criança e os pais ficam por anos...e anos...nas massagens, cremes, choros...a fim de exteriorizar a glande. Semanalmente eu "reduzo" fimoses (reduzir é a manobra, forçada, para abaixar o prepúcio e expor a glande), o que traz alguns dias de muito incômodo para as crianças...
Costumo dizer que o bebê vai chorar bem menos  fizer a circuncisão do que ficar no puxa-puxa do prepúcio por meses e anos...
Além do que, nas consultas dos meninos aos cinco, seis...sete anos...quando, no exame pediátrico, eu examino o genital e exteriorizo a glande, nota-se que fazia "tempo" que não se lavava a região. Pergunto para as mães "quem é o responsável" pela limpeza genital do filho. A resposta: "Ele mesmo, porque não deixa eu mexer. E o pai, raramente...".
Isso justifica fazer a circuncisão?
Quando oriento os pais, penso em todos os fatores: o sofrimento para as massagens, as minhas consultas para fazer a "redução" forçada, as infecções locais e urinárias, a falta de higienização nos mais velhos, a necessidade de se fazer a cirurgia nos mais velhos e adolescentes, a redução nas doenças sexualmente transmitidas e AIDS...
Peço que os pais conversem com amigos que tem filhos circuncidados e não-circuncidados... Lembro que não conheço ninguém que se arrepende de ter feito o procedimento no seu filho.
Mas, acima de tudo, falo para os pais que a decisão que eles tomem (fazer/não fazer) é a absolutamente certa. 

"Só existe opção quando se tem informação ... Ninguém pode dizer que é livre para tomar o sorvete que quiser se conhece apenas o sabor limão" - Gilberto Dimenstein, jornalista.

Um comentário:

  1. Realmente tambem nao conheco alguem que tenha feito a cirurgia no filho e esteja arrependido. Tenho casos na familia de criancas que sofreram bastante com essa questao, por nao terem optado pela cirurgia. Meu filho fez o procedimento no 2o. dia de vida, ainda na maternidade, e acredito ter tomado a decisao mais acertada!
    Vale a dica para os pais que estao na duvida...

    ResponderExcluir

Agradeço todos os comentários!
De acordo com normas do Conselho Federal de Medicina, determinadas orientações só podem ser feitas após consulta médica ou avaliação/seguimento - portanto não posso responder perguntas detalhadas e individualizadas neste canal.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.