quinta-feira, 31 de maio de 2012

O que faz a criança feliz? - Postado por Jairo Len


Já vimos pesquisas sobre tudo neste mundo. Mas uma pesquisa muito interessante e inédita foi feita pelo instituto Datafolha, por solicitação da Sociedade Brasileira de Pediatria.
Sobre a vida emocional das crianças brasileiras. O que as faz feliz, o que as estressa.
Os resultados, a meu ver, não são nada surpreendentes, mas muito educativos para nós, pais. O que deixa as crianças felizes são as coisas mais simples.

A reportagem me lembrou de um verso de Mário Quintana, sobre a felicidade:

"Quantas vezes a gente, em busca da ventura,
Procede tal e qual o avozinho infeliz:
Em vão, por toda parte, os óculos procura
Tendo-os na ponta do nariz!"


Leia a reportagem da revista Época acessando este linkPorque ela está tão feliz?

terça-feira, 29 de maio de 2012

Contaminações do dia-a-dia - Postado por Jairo Len

Acho aqueles programas tipo Dr. Bactéria meio geradores de pânico, mas é importante que existam para alertar grande parte da população que as bactérias (nocivas) estão entre a gente e algumas medidas simples podem ajudar.

Pesquisa da Universidade do Arizona mostrou que as contaminações por bactérias nocivas em ambientes de trabalho é gigantesca...mesmo em lugares que a gente não imagina e nem sempre limpa como deveria.
Após os acionadores de torneira (75% contaminados), vem em segundo lugar os fornos de microondas (48%), alça de abertura de aparelhos e puxadores de geladeira (27%) e botões de venda das máquinas de venda automática (21%).
O estudo foi feito nos ambientes de trabalho, como clínicas, escritórios, call-centers, mas acho que podemos extrapolar o estudo para as nossas casas, para os bebedouros das escolas, etc.
Medida simples: paninho com álcool em tudo isso.

E, mais importante: quem leva as bactérias daqui para ali e para a "boca" são as nossas mãos. Sem dúvida nenhuma a higiene das mãos com muita frequência é a medida mais importante de proteção diária que podemos ter. Vitamina S à parte, estamos falando de bactérias patogênicas.

Não é para limpar assim... Isso é o swab para pesquisar as bactérias...


quarta-feira, 23 de maio de 2012

Dieta da Sonda - Postado por Jairo Len

Não é propriamente assunto pediátrico, mas é daquelas notícias que não se pode não comentar.
Fosse 1° de abril (ou algo do gênero, no mundo) eu apostaria que é daquelas coisas que os jornais inventam...

Nos Estados Unidos existe uma nova moda, para emagrecimentos rápidos (procurados, sobretudo, por noivas pré-casamento): a dieta da sonda, NG Diet - Nasogastric Diet.

Como é? Simples. Coloca-se uma sonda naso-gástrica na pessoa, e a alimentação é feita por esta sonda, como em um paciente hospitalizado. Tubinho grudado com esparadrapo no nariz.

Oitocentas calorias de dieta hiper-proteica por dia, e vapt-vupt.
Um linda noiva (e louca). Será que o casamento vai durar?
São cerca de 7 a 10% do peso perdido em uma semana - além de U$ 1000,00.

Esta nova dieta faz a dieta da sopa, das proteínas, dos carboidratos e tantas outras parecerem excelentes, não é? Quanto tempo a moda vai durar? Ainda bem que não é uma dieta espontânea, que se possa fazer em casa, sem auxílio médico ou para-médico. Quem sabe - tenho esperança - que aqui no Brasil o bom senso possa prevalecer.

O que não consigo entender é como alguém se sujeita a isso e como um médico é capaz de fazer isso com uma mulher (em geral), sadia, na véspera de uma data importante. E, em um país com regras médicas tão severas, como os Estados Unidos, como uma coisa destas não é proibida.

Importante: não esquecer de tirar a sonda para o casório...

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Amamentação e a criação com apego - Postado por Jairo Len

É claro que, a Time publicando uma reportagem de capa sobre aleitamento materno, a imprensa mundial repercutiria/debateria o assunto.
No post anterior - cujo assunto era justamente esta reportagem da Time - eu não entrei no assunto "tempo" de amamentação, procurei falar mais da cobrança feita às mulheres em relação à amamentar e não-amamentar.
A Folha de São Paulo fez uma matéria sobre crianças amamentadas ao seio até idades mais avançadas - como os 7 anos (sete a-n-o-s). Vale a pena dar uma lida na reportagem.
Todos sabem que sou a favor do "livre-arbítrio"... Desde que não incomode ninguém, cada um tem direito de fazer o que queira consigo e seus filhos (obviamente não infringindo o Estatuto da Criança e do Adolescente).

Mas acho que estas amamentações prolongadas (três, quatro, cinco...sete anos) são uma coisa bastante esquisita. É claro que seria necessário entender o que cada uma destas pessoas pensam para saber aonde se quer chegar. Se imaginam mesmo que é "isso" que faz a diferença nutricional, que é o aleitamento que vai aumentar seu vínculo com o filho... Ou, quem sabe, Freud e muita psicanálise expliquem aonde querem chegar estas mães e pais...

Agora...chamar isso tudo (inclui os slings) de "criação com apego" é uma santa arrogância misturada com ignorância. A teoria vem do livro "The Baby Book", escrito por William Sears, que virou manual destas pessoas que, apesar de alternativas, seguem passos bem estereotipados. Outro ponto do livro é que as crianças devem dormir com os pais, na mesma cama.
Os ultra-adeptos tem, é claro, grupos de discussão, sites, seus próprios livros...tentando justificar o porque fazer a "criação com apego" é tão importante.
Será que foram criados "sem apego" pelos seus pais?

Como pediatra há quase 20 anos posso afirmar que conheço milhares de famílias que criam seus filhos com muito apego, com todo o amor e dedicação do mundo - um esforço que só quem tem filhos pode imaginar que se faça isso por alguém.
E nunca precisaram colocar estar práticas questionáveis para mostrar isso para os outros, não aparecem em capas de revista ou na internet.
Guardam todo o amor dentro de si e no seu núcleo familiar, o que é o melhor que se pode fazer.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Você é mãe o suficiente? - Postado por Jairo Len


Com esta provocativa manchete ("Você é mãe o suficiente?") a revista Time estampou sua capa, numa reportagem avaliando a maternidade e focando especificamente o aleitamento materno.
É óbvio que a cena de um menino de 3 anos mamando em pé, na sua mãe (de 26 anos) provocou muita polêmica nos EUA, reações de grande parte de uma sociedade conservadora - assim como no mundo todo. A intenção da revista era exatamente essa.
Daí começam os milhares de questionamentos, até que idade uma criança deve ser amamentada ao seio, que em cada ponto do planeta a coisa é diferente, que alguns consideram cenas como essa uma espécie de incesto (sério!!!, eu li isso), opiniões diversas, etc, etc, etc..

Entendo perfeitamente a Time, no sentido de querer ser polêmica e dar combustível às irracionais defensoras do aleitamento materno até o casamento do seu filho/bebê.

Mas acho que ser "mãe o suficiente" passa muito além do aleitamento materno.

Que comecem falando aquelas mães que adotam crianças. Shhhhh.... Silêncio total, chiitas do aleitamento. Deixem estas mães em paz...
Tenho, na Clínica, inúmeras pacientes que não conseguiram, por motivos diversos, amamentar ao seio. Uso de medicamentos quimioterápicos, mastectomia bilateral pregressa, cirurgia mamária de redução por motivos físicos, blues e depressão pós-parto, e assim por diante. E, claro, os bebês adotados.

Tenho certeza que todas estas mães são super-mães, cuidam com todo o amor do mundo seus filhos, abdicam de um monte de coisas para estar com eles e ainda por cima tem que ouvir a eterna cobrança sobre o aleitamento materno exclusivo.
Não vamos aqui questionar vantagens e desvantagens de amamentar uma criança exclusivamente no seio.

Mas, século 21, já chegou a hora de deixar cada mãe em paz para cuidar e amar seus filhos como todas as outras mães, sem cobrança, sem chateação, sem provocação.


segunda-feira, 7 de maio de 2012

Chupeta - Postado por Jairo Len

Polêmica sem fim, o capítulo "Chupeta" ganha mais um ponto.
Meus pacientes sabem minha posição sobre o uso ou não de chupeta pelos recém-nascidos.
Coloco para os pais que, posto que somos mamíferos, há uma grande demanda de sucção pelos filhotes da nossa espécie. Privar as crianças da sucção não é interessante. Sugiro (em tom de brincadeira) que quem é contra o uso de chupeta deve colocar o seu bebê no seio sempre que ele mostrar que quer sugar - como fazem os mamíferos - macacos, por exemplo. E não deixar o bebê horas chorando, chupando as mãos, dedos e a própria língua.

De qualquer forma, falo aos pais que a decisão correta "é a deles". Dar ou não chupeta, ou quaisquer outras decisões em relação aos seus filhos, cabe aos pais.
Contra a chupeta, alguns profissionais ligados à área (fonoaudiólogos, odontopediatras, especialistas em amamentação) dizem que a prática reduz os índices de bom aleitamento materno.

O Novo Capítulo
Um estudo realizado na Universidade de Saúde e Ciência do Oregon, entre 2010 e 2011, avaliou 2.249 recém-nascidos e concluiu que, além de não atrapalhar as mamadas como se temia, a chupeta utilizada nos primeiros dias de vida estimula a amamentação no peito. Os resultados mostraram que a taxa de aleitamento exclusivo ao seio na maternidade estudada diminuiu de 79% para 68% após a abolição das chupetas, em dezembro de 2010.

Vale ressaltar (chupetas à parte) que 79% de aleitamento materno exclusivo é relativamente baixo - mas estes são padrões americanos, aonde o desmame é muito precoce por motivos de volta da mãe ao trabalho, entre outros poréns.

Por curiosidade, conto outro fato sobre a chupeta. Numa consulta de recém-nascido, meses atrás, eu falei o meu discurso "a favor" do apetrecho e, a avó da criança, no final, fez um comentário.
Odontopediatra e especialista em ATM (articulação têmporo-mandibular) há décadas, disse que em seu conhecimento (acadêmico universitário) relacionava o uso de chupeta com diminuição nos problemas de ATM. Isso porque a chupeta exercita a musculatura facial - o que fica faltando nas crianças que mamam a cada 3 ou 4 horas...

Último ponto, importante. Há 3 anos a Academia Americana de Pediatria, através de estudos com milhares de crianças, concluiu que o uso de chupeta durante o sono diminui o risco da Síndrome da Morte Súbita do Lactente. Orientou que se pare de falar mal da chupeta - ainda que ache que novos estudos são necessários para começar a recomendar para todos o uso da chupeta.

Enfim... É um daqueles assuntos de infinita polêmica.

Usar ou não usar, eis a questão

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Vacina contra Gripe/Influenza 2012 - Postado por Jairo Len

O frio começou.
Mas a temporada de gripe (doença respiratória causada pelo vírus Influenza) já iniciou-se há algumas semanas. Temos ouvido e visto de casos de Influenza A e B com frequência.

E a vacina contra  gripe/Influenza já está disponível, cepas 2012.
Nas verdade, há três anos, desde a epidemia de gripe suína, a vacina não muda "anualmente". São os mesmos vírus desde 2010.
Isso acontece porque os vírus que causam a gripe, nestes últimos anos, não mudaram. São os mesmos, pelos relatórios da Organização Mundial da Saúde.


Pergunta: se é a mesma vacina dos anos anteriores, porque devemos nos revacinar?
A duração da imunidade que a vacina confere é de aproximadamente um ano. Portanto, quem tomou a vacina em abril ou maio do ano passado, é hora de revacinar-se. Receber a vacina 2012 antes de um ano da dose anterior não tem qualquer problema.

Lembro que gripe não é resfriado. Memória fraca que temos...não vamos esquecer o pânico gerado na época da gripe suína. A doença é a mesma - menos epidêmica, claro - e merece sempre a nossa atenção.

Na Clínica Len de Pediatria fazemos a vacina rotineiramente nos bebês a partir dos seis meses de idade, dentro do calendário vacinal. As crianças até dois anos de idade são um grupo de risco importante. Mas todas as faixas etárias merecem a vacina - segura, raros efeitos adversos, e praticamente indolor à aplicação.