terça-feira, 28 de junho de 2011

Crianças e colesterol - Postado por Jairo Len

Com grande frequência encontro níveis de colesterol e triglicérides altos nas crianças.
É uma preocupação de muitos pais, e existem diretrizes específicas para esta triagem.

Quando o pediatra deve solicitar exames?

Se pai e/ou mãe tem níveis muito altos de colesterol (ex.: 300 a 600 mg/dl) a triagem deve começar aos 2 anos de idade.
Se o nível de colesterol de pai e/ou mãe está entre 200 e 300 mg/dl, o exame deve ser feito quando os filhos tiverem cerca de 5 anos de idade.
Para todos os outros, check up no máximo até os 10 anos de idade.
Este raciocínio de triagem é global, mas é importante que o pediatra avalie cada fração do colesterol: o bom (HDL) e o mau colesterol (LDL). A relação entre eles é muito importante.

O que mais encontro são os filhos de pais com dislipidemia, ou seja, doença metabólica familiar que aumenta o colesterol. Estas crianças já tem um colesterol um pouco elevado - índices ao redor ou mais de 200 mg/dl. É uma "doença" da família. Procuramos fazer uma dieta restritiva de gorduras por 3 meses, mas os resultados práticos são pequenos. São futuros usuários das "estatinas" (sinvastatina, atorvastatina, rosuvastatina), os medicamentos usados para abaixar o colesterol. Em alguns casos, com fatores de risco (como doenças cardíacas em pais ou avós antes dos 55 anos de idade) pode-se usar abordagem medicamentosa desde a infância, a partir dos 8 anos de idade.

Como reduzir o colesterol?

A alimentação hoje em dia (pelo menos aqui no Brasil) já tende a ser mais saudável, tendo pouco impacto nas dietas para redução do colesterol.
O que ainda é um vilão, a meu ver, é o leite integral e seus derivados (queijo, manteiga, sorvetes com leite, requeijão, creme de leite, etc.). O leite integral pode ser banido do dieta de qualquer criança com mais de 2 anos de idade ("pode" não significa que é obrigatório para todos). Já temos até leites magros infantis, como o Ninho Levinho. Estes leites magros tem todo o cálcio e proteína que são importantes no leite, mas com menos gorguras e colesterol.
São raras as crianças que se alimentam diariamente de fast-food, frituras (em óleos saturados), carnes e embutidos gordos. Bolachas recheadas talvez sejam um problema em algumas casas. Ovos (a gema) contém bastante colesterol e pode ser controlado em algumas crianças.
Importante avaliar e individualizar cada caso, para não deixar uma criança neurótica se não houver 100% de necessidade.

Praticar esportes é um hábito saudável e faz bem para todos, mas tem pouca ação na redução de colesterol nas crianças. Devem ser estimulados como forma de prevenção da obesidade e doenças cardio-vasculares.

Remédios, em casos muito especiais, com estreita monitorização.

Dos males do século (sal, sol, BPA, mercúrio, ozônio, radiação,...) acho que o colesterol é um que realmente merece nossa atenção.

Alterar o DNA talvez seja nossa maior solução...

terça-feira, 21 de junho de 2011

O inverno chegou... - Postado por Jairo Len

...E com a chegada do inverno, vem a piora da qualidade do ar em São Paulo...
Por causa do fenômeno climático da "inversão térmica", os dias tem uma tendência de ficarem mais secos e mais poluídos. O fim das aulas ajudará muito, mas mesmo assim algumas providências podem ser tomadas para se evitar o aumento de doenças respiratórias.
Sempre repito para os pais que as crianças sem problemas respiratórios não precisam de cuidados especiais, como o uso de umidificador de ar.
Mas muitas crianças e adultos sofrem muito com o ar seco - que pode chegar em 10% de umidade relativa - o que equivale a um deserto, daqueles bem secos - causando aumento significativo de coriza, tosse, crises de asma e pneumonias.
O uso de umidificador de ar é fundamental para este grupo, sempre que a umidade relativa estiver abaixo dos 40% (no quarto, à noite). Hoje em dia você encontra os hidrômetros em reloginhos made in China bem acessíveis e pode fazer este controle de forma fácil.
Manter a umidade em torno dos 60% é o ideal.
Lá na Clínica eu tenho um umidificador que é auto-regulável. Você regula a umidade que quer. Um sensor lê a umidade do ar e liga-e-desliga o aparelho de acordo com o regulado. Uma excelente e cara opção, fabricado pela Nuk.

O umidificador com sensor de umidade relativa do ar
Lembro que as bacias de água não tem nenhuma utilidade para aumentar a umidade relativa do ar. Toalhas molhadas na cabeceira da cama podem ajudar, em "emergências". Ideal é investir no umidificador.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Surto de sarampo - Postado por Jairo Len

Um surto de sarampo já contaminou mais de 6.500 pessoas em 30 países da Europa neste ano.
Por aqui, no Brasil, já foram confirmados 15 casos, todos eles "importados" - pessoas que pegaram a doença em viagens. Provavelmente estes doentes vão espalhar a doença por aqui, porque o sarampo é uma doença viral muito contagiosa.
[Sarampo é uma doença viral caracterizada por febre alta, tosse, conjuntivite, manchas vermelhas  pelo corpo e manchas esbranquiçadas na boca. A mortalidade é de 1:1000 - altíssima se pensarmos na alta infectividade da doença. A vacina é uma forma 100% eficaz e segura de proteção]
O surto ocorre na Europa, a meu ver, porque os europeus são relapsos em matéria de vacinação. Cada país (um grudado no outro) tem um esquema diferente de vacinação e não se requer nenhuma precaução para viajantes que chegam de qualquer parte do mundo. O transito entre os países é intenso. Poucos adolescentes e adultos são vacinados nos esquemas oficiais (por aqui não é muito diferente, não).
De qualquer forma, o importante para nós, no momento, é a vacinação contra o sarampo.
Crianças são vacinadas com um ano de idade e reforço aos 5 anos. Ficam garantidas até o início da adolescência ou mais.
Adultos deveriam se vacinar a cada 10 anos contra sarampo, caxumba e rubéola (vacina SCR ou MMR, em inglês).
Portanto, vamos lá: se você não se vacinou nos últimos 10 anos, hora de receber a MMR ou SCR - vacina de vírus vivos e atenuados, super-eficaz, com efeito imediato, sem reações ou efeitos colaterais importantes. Mesmo que não esteja nos seus planos viajar em breve para a Europa, vale a pena manter-se imunizado.
As crianças até 10 anos (falo aqui daquelas com esquema de vacinação completo e atualizado) não precisam receber reforços desta vacina. O governo faz, neste próximo fim de semana, a campanha de vacinação contra sarampo o poliomielite nos postos de saúde e outros locais estratégicos.

Em relação à campanha de vacinação contra a poliomielite (vacina Sabin - oral), relembro que as crianças vacinadas regularmente em clínicas particulares não precisam dos reforços orais anuais.
Já escrevi sobre este assunto em anos anteriores - se quiser se aprofundar no assunto clique aqui para ler o post.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Bloqueio de menstruação e crescimento - Postado por Jairo Len

Uma reportagem desta semana na Folha de São Paulo conta que diversas famílias tem recorrido ao "bloqueio da menstruação" para que as meninas fiquem mais altas. Famílias, claro, e médicos prescrevendo os hormônios e medicamentos bloqueadores.
Algumas mães já me perguntaram: "adianta?"
A resposta geral é: NÃO.
O bloqueio da menstruação/retardo da menarca só vai trazer benefícios para uma menina que apresente algum problema endocrinológico, como a puberdade precoce. Puberdade precoce é o aparecimento dos caracteres sexuais secundários (broto mamário, mamas, pilificação, mudanças no corpo) antes dos 8 anos de idade.
Para as meninas sem problemas, o retardo da puberdade só trará gastos e sofrimento psicológico.
Exemplo (do meu dia-a-dia): Pai tem 1,72 m, mãe 1,60 m. A filha está com 6 anos e estatura "prevista" de 1,62 m. Sem quaisquer sinais de puberdade, saúde ótima. Adianta bloquear a puberdade? Não. Nada vai mudar, só um organismo bombardeado por remédios hormonais caros e com efeitos colaterais. A estatura final será a mesma.

É que em muitos casos foi feito o bloqueio e as "artimanhas" gráficas permitem ao médico dizer que aquilo funcionou, que a menina seria menor se não fossem os medicamentos, e blá, blá, blá... Nem sempre é verdade.

Mas...se há alguma doença, como a puberdade precoce ou deficiência de hormônio de crescimento (GH), o resultado da terapia hormonal é excelente. Inúmeros fatores devem ser avaliados, como histórico e estatura de toda a família (pais, tios, avós, irmãos), idade óssea, exames laboratoriais complexos (provas funcionais) e a curva de crescimento durante anos...

Resumo: não vamos complicar e estragar o que está normal.

Tantas coisas para se preocupar...

terça-feira, 7 de junho de 2011

Natação - Postado por Jairo Len

Fazer ou não fazer? Desde que idade? Causa mais doenças? É defensiva e protege a criança do afogamento?
A natação para bebês e crianças é assunto diário dos pais, lá na Clínica.
O assunto pode ser debatido por dias seguidos e não se chegará a um senso comum. Com a chegada do frio aqui em São Paulo, a questão fica mais polêmica ainda.
Vamos a alguns fatos e questões.
A única atividade física que um bebê pode fazer (fora as do seu cotidiano) é a natação. E os pais ficam muito aflitos em ter uma atividade "extra" para seus filhos desde muito cedo. Este é o primeiro motivo que alguém quer colocar seus filhos nas piscinas de academias. Se houvesse ballet ou acrobática aos 6 meses, teria fila para matrícula... Do ponto de vista sensório-motor, este estímulo é inútil para as crianças sem problemas motores. Não que faça mal, mas é desnenessário.

Eu recomendo a natação em piscinas de academias só a partir dos 3 a 4 anos de idade. Antes disso, natação é algo recreativo, que, apesar de ensinar crianças a nadar, nunca vai garantir que elas sobrevivam se caírem em uma piscina. Ou seja, natação em bebês e crianças não é defensiva.

Um recente estudo norte-americano (do Eunice Kennedy Shriver National Institute of Child Health and human Development) mostrou dados interessantes: crianças que fazem aulas regulares de natação entre 1 e 4 anos de idade tem maiores chances de sobrevivência quando caem/se jogam em uma piscina. O mesmo estudo, porém, mostra que o maior índice de afogamento e morte é justamente nestas crianças, que fazem aulas de natação. Porque isso ocorre?
Porque estas crianças não tem medo da água e seus pais afrouxam a vigilância por achar que seus filhos sabem nadar. Muitas, inclusive, tem piscina em casa, no sítio, no prédio, motivo que fez seus pais correrem atrás das aulinhas de natação.

Outro ponto: as piscinas aquecidas de academia recebem dezenas de crianças por dia. Nesta época do ano as doenças respiratórias são muito frequentes, e nem todos os pais evitam levar suas crianças doentes (resfriadas...) para as aulas.
Na piscina salina as crianças fazem toda a sua higiene nasal, urinam e etc. (os bebês, sempre) e, evidentemente, o sal, cloro ou ozônio não tem capacidade de matar vírus e bactérias imediatamente. Resultado: muitas crianças ficam mais doentes e com coriza constante quando fazem aulas de natação. Ponto a se avaliar caso-a-caso.
Nem todas as academias de natação são bem climatizadas. A criança sai da piscina aquecida e vai para o vestiário frio. Um choque térmico que para alguns pode ser a causa de alergias respiratórias...

Enfim, não sou um fã de natação em bebês. Mas, como sabem os pais dos meus pacientes, sem radicalismo. Para quem quer fazer, forneço os atestados requeridos para as aulinhas de natação a partir dos 6 meses de idade.

Gostemos ou não...mas esta capa de CD do Nirvana é inesquecível...

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Solidadriedade e acolhimento - Postado por Jairo Len

Quase todos já viram aquele comercial em que uma irmã raspa seu próprio cabelo para se solidarizar com a outra, que está passando por sessões de quimioterapia...
Em Governador Valadares, MInas Gerais, alunos do 3º ano do ensino médio fizeram uma surpresa em solidariedade a um dos colegas, sem cabelos por ter inicado as sessões de quimioterapia para a cura de um Sarcoma de Ewing: todos os meninos da sala e mais três diretores rasparam suas próprias cabeças para receber o amigo em seu primeiro dia de "volta" às aulas.
“A atitude dos meninos não foi comum. Foi uma coisa tão alto astral. Fizeram para que ele não se sentisse excluído por estar careca”, disse a mãe de Artur Gonçalves, o "homenageado", de 17 anos, que está no terceiro ano e vai tentar vestibular para Engenharia na Universidade Federal de Minas Gerais. Ainda segundo ela, as garotas da sala também se mobilizaram e acompanharam os colegas até o salão onde cortaram o cabelo.
“Não dá pra explicar, não. Me senti acolhido”, completou Artur, dizendo que a surpresa trouxe motivação e força para continuar o tratamento.
Em uma época de tantas tragédias envolvendo escolas e escolares, uma notícia que ajuda a todos.

Fonte/Foto: G1.com.br

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Pepinos contaminados - Postado por Jairo Len

Parece notícia do tipo "Casseta & Planeta", mas não é.
Na Alemanha e Inglaterra, por causa de uma contaminação em pepinos orgânicos, a bactéria E. coli já causou a morte de quase 20 pessoas. Este determinado tipo da E. coli (nome completo: Escherichia coli) causa uma doença gravíssima, que é a síndrome hemolítico-urêmica, um tipo insuficiência renal.
Para quem já teve uma infecção por esta bactéria (frequente na urina e fezes), importante frisar que não é qualquer E. coli que causa este estrago, muito pelo contrário.

A contaminação está "dentro" dos pepinos orgânicos - não é falta de lavagem... Acometeu maior proporção de mulheres e crianças, mas acredita-se que isso ocorreu pelo sistema imune mais fraco (em crianças) e por causa da obsessão por baixas calorias e comida orgânica (nas mulheres).

Todas as medidas sanitárias e higieno-dietéticas estão sendo tomadas e não há importação de pepinos alemães crus pelo Brasil. Portanto, até que se prove o contrário, sem preocupação com os pepinos por aqui.

O importante para nós, eu acho, é o debate sobre os alimentos orgânicos.
Já escrevi em dois posts anteriores (14/04/2011 e 24/06/2010) sobre os orgânicos e seus dilemas de consumo. Copio aqui um pedaço da profecia...digo, do post:

"O que penso é que para se produzir um alimento orgânico é preciso muita cautela e responsabilidade.
Não se jogam pesticidas só para matar pulgão e gafanhoto - também se controlam bactérias e fungos presentes nas raízes, nas folhas, que podem ser nocivos à saúde.
De modo que para produzir um orgânico é necessária uma tecnologia, seriedade, estudo, controle de pragas".

Pode ser? Esta pode...