quinta-feira, 27 de junho de 2013

Médicos Cubanos - Postado por Jairo Len

É o segundo post seguido sobre assuntos "políticos" no blog... Não sou muito chegado a isso, mas acho importante falar.
Se faltam médicos, se faltam condições de trabalho ou se falta salário no Brasil é uma questão que vem sendo amplamente discutida. Não vou discutir a necessidade ou não de "importar médicos".
 
O que eu acho importante é que existem, em qualquer lugar do mundo, testes de revalidação de diploma e de proficiência da língua local para o exercício da medicina.
No Brasil, essa revalidação existe e tem o nome de "REVALIDA".
É aplicado para todo e qualquer médico estrangeiro que queira atuar no Brasil. Com a crise pelo mundo, como todos sabem, muita gente veio para o Brasil.
Engenheiros capacitados, executivos brilhantes, economistas... todos conhecemos casos.

Médicos também podem vir. Mas tem que passar pelo REVALIDA.

"Realizado, desde 2011, pelo Instituto de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o Revalida é feito em duas etapas. A primeira é composta por duas provas, uma objetiva (com questões de múltipla escolha) e uma discursiva. Na segunda é aplicado o exame prático, para verificar conhecimentos, habilidades e competências requeridas para o exercício profissional adequado ao Sistema Único de Saúde (SUS), em nível equivalente ao exigido dos médicos formados no Brasil. As duas fases têm caráter eliminatório. Os candidatos precisam, ainda, apresentar Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras), no nível intermediário-superior." Em 2012, dos 782 médicos estrangeiros – ou brasileiros formados em medicina fora do país – que realizaram a primeira etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida), apenas 98 (12,5%) foram aprovados para a segunda fase da avaliação

Não que o Brasil (do SUS) tenha uma medicina exemplar. Os defeitos todos conhecemos... Mas essa demagogia da presidente é dura de aturar. 


Salve-se quem puder....




segunda-feira, 24 de junho de 2013

Ato Médico - Postado por Jairo Len

Acho que nesta semana teremos alguns manifestos contra a aprovação do Projeto do Ato Médico, um projeto de lei do Senado criando uma série de obstruções a procedimentos atualmente realizados por inúmeras categorias: fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, nutricionistas, biomédicos, etc...
Mas afinal o que é este projeto? Atende aos interesses de quem?

A meu ver, este projeto atende interesses de seguradoras de saúde, exclusivamente. Inúmeros pontos do Ato Médico só vão dificultar a vida de cada um de nós, médicos ou pacientes. 

Em primeiro lugar: todos os procedimentos feitos por estas categorias que eu citei acima dependerão de diagnóstico e prescrição médica. Portanto, seguradoras de saúde criarão inúmeras dificuldades para reembolsar tais procedimentos...aliás, o que já o fazem.  

Segundo: inúmeros "atos" hoje em dia já são praticados exclusivamente por não-médicos. Um exemplo é a estratégia em ventilação mecânica. Nas UTIs de alto nível, quem define principalmente a ventilação mecânica, a hora de tirar o tubo de ventilação, são os fisioterapeutas respiratórios. O projeto prevê que isso será feito exclusivamente por médicos... Se os próprios médicos de uma UTI confiam esta parte aos fisioterapeutas, salve-se quem puder...

Terceiro ponto: define como exclusivo de médicos “procedimentos invasivos, sejam diagnósticos, terapêuticos ou estéticos, incluindo acessos vasculares profundos, biópsias e endoscopia”, o que inclui a “invasão da pele atingindo o tecido subcutâneo da pele para injeção”. Ou seja, nada de fisios ou enfermeiras fazendo aplicações estéticas nas milhares de clínicas que existem por aí. Resultado "prático": aumento gigantesco do custo destes procedimentos. Pelo texto, nem injeção de medicamento intramuscular podem ser realizados. Acupuntura, idem. Só médicos...

O Conselho Federal de Medicina alega que o sistema particular e suplementar de saúde não sofrerão alterações com a "Ato Médico", mas o serviço público de saúde sim. Ainda existe muito pelo Brasil grupos paramédicos que diagnosticam doenças. Isso é excelente. São, por exemplo, enfermeiros treinados pra diagnosticar hanseníase, hipertensão, diabetes. Não dão conduta medicamentosa, mas diagnosticam. Pelo "Ato Médico" isso não seria permitido.

No país em que a presidente quer trazer médicos de Cuba (toc-toc-toc), não há fundamento em limitar a atividade de quem está contribuindo com a saúde. 
Todos os médicos bem formados e bem sucedidos sabem que inúmeras áreas profissionais tem capacidade para ajudar na cura e prevenção de doenças. É um trabalho em conjunto, cada um no seu quadrado, mas todos juntos...
É evidente que tudo o que se faz em saúde precisa de regulamentação (e já tem), bem como controle de atuação...
Mas não precisa de retrocesso.


sexta-feira, 14 de junho de 2013

Sentando em "W" - Postado por Jairo Len

Nesta semana alguns pais me perguntaram sobre os problemas de deixar seus filhos sentados em "W", uma posição muito comum, que tem este nome pelo formato em que as pernas ficam.

Há mesmo problemas?

Existe um consenso entre fisioterapeutas que quando a criança assume muito esta posição, ela deixa - neste momento - de desenvolver outros movimentos muito importantes do corpo.
"Na postura em “W”, a criança experimenta um grande aumento da base de sustentação quando comparada com outras posturas sentadas, isso lhe garante maior estabilidade estática e menor necessidade de ajustes posturais".
O “W” é uma posição muito estável, que não permite à criança exercitar seu equilíbrio, limitando as rotações de tronco e as transferências de peso laterais como aquelas que realizamos para alcançar um objeto.

Não vai haver, então, nenhum problema com as pernas - e sim com o não-desenvolvimento de demais movimentos importantes para fortalecimento muscular, principalmente na região do tronco.

É evidente que o ideal é que haja bastante variação, e o "W", de vez em quando, não traz qualquer problema. 

 

terça-feira, 4 de junho de 2013

Gripe e Poliomielite (Vacinação) - Postado por Jairo Len

Atualizando...

INFLUENZA - O governo adiou, até o dia 15 de junho, a vacinação contra Influenza (Gripe) nos postos de saúde, porque há sobra de vacinas (enquanto falta para a rede particular...).
Não houve mudança da faixa etária abrangida. Mas sugiro (por acreditar que TODOS devem receber a vacina) que, caso você queira receber a vacina, solicite um pedido médico para qualquer médico conhecido. Com o pedido, os postos vacinam, independente de faixa etária.
Na rede particular ainda enfrentamos grande dificuldade para adquirir a vacina (além do ágio...). Na Clínica Len de Pediatria estamos restringido a imunização às crianças e adolescentes por nós acompanhados.

Lembro mais uma vez que a vacina é de extrema importância. Temos acompanhado aumento de número de casos de Influenza A e B, com novos casos diariamente nos Pronto Atendimentos.

POLIOMIELITE - O governo realiza mais uma vez a campanha de vacinação contra poliomielite nos menores de 5 anos de idade.
As crianças que fizeram a vacinação nas clínicas particulares de vacinação (através da vacina IPV/poliomielite intra-muscular inativada) não tem necessidade de fazer as doses de reforço através da vacina oral.
Em qualquer país civilizado do planeta a vacinação contra polio é competente e realizada para 100% da população infantil através da vacina inativada - não havendo necessidade, desta forma, de campanhas caríssimas e demagógicas para vacinação em massa.
Votar é obrigatório, serviço militar é obrigatório, mas vacinar é opcional...