quarta-feira, 29 de junho de 2016

Férias e Farmacinha - Postado por Jairo Len

Só quem está na retaguarda das férias sabe o quanto é necessário viajar com crianças e ter em mãos os principais remédios usados no dia a dia. Apesar das doenças também tirarem férias - nessa época o índice de infecções cai muito - é nas viagens que outros problemas podem aparecer.

Aqui na clínica recomendamos sempre uma lista básica de medicamentos para levar na mala, sempre, obviamente, recomendando não usar sem antes falar com o pediatra.

É sempre bom ter:

- antitérmico/analgésico,
- medicamento para enjoos e náuseas,
- remédio de diluição oral para vômitos (fundamental...),
- um antialérgico de amplo uso (a meu ver, à base de cortisona, para crianças que já tomaram),
- pomada para irritações de pele e picadas de inseto,
- Para os que tossem com frequência e fazem uso, os medicamentos para tosse, principalmente os sprays broncodilatadores,
- colírio e antibiótico (estes, por precisarem receita especial, devem ser criteriosamente discutidos com seu pediatra).

Se vai de avião, é sempre bom levar em mãos medicamento analgésico/antitérmico e também para vômitos.


Posso dizer que, tudo nessa lista, uma hora pode salvar suas férias com crianças.
Ótimas férias em família para todos!

É simples viajar com crianças!


terça-feira, 21 de junho de 2016

Horas de sono - qual o ideal? - Postado por Jairo Len

Os bebês tem que ler isso, urgente! Eles precisam saber o quanto é importante dormir e quantas horas de sono por dia...!

Pela primeira vez, a  American Academy of Sleep Medicine (AASM) publicou um consenso sobre o necessário de horas de sono ao dia para crianças e adolescentes, para promover a otimização da saúde física e mental (deles...e acho que dos pais, também).

Não acho que sejam números inéditos, já postei aqui e no site algumas vezes sobre isso, mas de qualquer forma segue mais uma das recomendações (para cada 24 horas):

Bebês de 4 a 12 meses: 12 a 16 horas de sono (incluindo sonecas)
Crianças de 1 a 2 anos: 11 a 14 horas de sono (incluindo sonecas)
Crianças 3 a 5 anos: 10 a 13 horas de sono (incluindo sonecas)
Crianças 6 a 12 anos: 9 a 12 horas 
Adolescentes de 13 a 18 anos: 8 a 10 horas

Pensando sobre isso...

Dormir é muito importante para as crianças.
Muitos tem um padrão de sono complicado, vejo aqui na clínica, semanalmente, problemas de pouco sono em todas as faixas etárias. Muitas vezes é por causa da própria criança, que realmente não dorme, mesmo com todo esforço possível dos pais.
Para se cumprir essa meta de horas de sono, principalmente para quem estuda de manhã (e acorda 6h ou 6h30) é fundamental dormir cedo.
Crianças a partir de 3 ou 4 anos que dormem às 22h ou 23h00 e acordam cedo para a escola estarão, sempre, dormindo pouco.
Concordo que muitos pais tem um ritmo frenético de trabalho e querem estar com seus filhos no final da noite, mas devemos sempre pensar nessa equação.

Há duas semanas pedi uma avaliação neurológica (uma neurologista especializada em distúrbios escolares) para um paciente de 6 anos de idade, que estava naquela fase de avaliação em psicopedagoga, psicoterapeuta disso, testes daquilo, fono, processamento auditivo central...
A primeira medida que a médica tomou foi pedir que o menino durma mais 1h30 por noite. A mãe me contou que, em poucos dias, essa simples mudança já se mostrou muito eficaz na melhora do rendimento escolar. É claro que as avaliações continuam sendo realizadas e todos os profissionais tem e terão seu fundamental valor...mas simplesmente dormir mais um pouco já aliviou demais.

Adolescentes são um caso a parte, e os smartphones e a NetFlix são os grandes vilões da privação de sono. Mas não custa insistir e conversar muito com eles, mostrando que quem acorda 6h30 deve dormir, no máximo, 22h30. Tenho uma adolescente em casa, sei como isso funciona...

Já os bebês...estes são um caso a parte... Aliás, dezenas de livros a parte...
Mas o que tenho percebido é que o primeiro ponto para que um recém-nascido durma bem é a vontade que os pais tenham que ele durma bem.
Quando pai e mãe querem muito que seu filho durma bem e a noite toda, e que juntos cheguemos ao melhor modo de resolver isso, funciona.
Entre métodos mais brandos e mais radicais, orientações profissionais, experiências de amigos, alimentação correta, choros assistidos (ou menos assistidos), uma hora há bons resultados. Nem sempre os que a maioria quer (como 12 horas de sono em 12 semanas de idade - excelente livro da Suzy Giordano), mas de alguma forma se conseguem resultados desde cedo.

Enfim...
Dormir é importante em qualquer idade. Quanto mais as crianças dormirem, mais nós, os pais, dormiremos. Cabe aos adultos cuidar disso desde cedo.


Quem tem adolescente em casa tira essa foto todo dia, se quiser...

quarta-feira, 1 de junho de 2016

A falta de Vacinas - Postado por Jairo Len

Como todos os pais de crianças até um ano sabem, enfrentamos neste ano uma falta de vacinas na rede particular como "nunca antes vista na história deste país".

A bem da verdade, há principalmente uma vacina em falta, a HEXAVALENTE (e sua irmã quase gêmea, a PENTAVALENTE).  Protege contra difteria, coqueluche, tétano, meningite por hemófilus B, hepatite B e poliomielite.
O único laboratório que produz essa vacina para venda no Brasil é a GSK, que enfrenta problemas na produção e aumento da demanda mundial. Vivemos do excedente de produção, e desde 2015 não há excedente... A vacina é aplicada em 4 doses, aos 2, 4 e 6 meses de idade, com reforço no segundo ano de vida.
O que fazer?
Desde outubro de 2015 as crianças tem sido vacinadas nos postos de saúde, salvo raras exceções, quando mínimos lotes chegaram a nós. O esquema de vacinação público é eficaz, ainda que a vacina tenha bem maior índice de reações. 
É muito importante que não se deixe de vacinar os bebês. Muitos pais torcem o nariz, querem aguardar a vacina chegar...mas a recomendação é vacinar, nos postos.
Os reforços, para os maiores de 1 ano (e que foram vacinados em clínicas particulares) não podem ser feitos nos postos de saúde - porque a vacina oferecida pelos postos não é adequada, falta um dos componentes... Para esses, estamos aguardando normalização de fornecimento para atualizar a vacinação.
Promessa de normalização pela GSK: julho de 2016 (será?)

A outra vacina em falta é a contra Meningite B.
Na verdade, a GSK lançou a vacina em 2015, a Sociedade Brasileira de Imunizações colocou a vacina no calendário "oficial", mas a vacina NUNCA chegou em quantidade suficiente para imunizar todas as crianças. Aos poucos vamos recebendo, as crianças tem feito uma ou duas doses (ideal são 2 doses, se começar a vacinar após um ano de idade. No primeiro ano de vida, serão 3 doses). 

A vacina é cara e apresenta bastante reação (50%), com febre e dor no local da aplicação. Mesmo assim é uma vacina que, se disponível, devemos aplicar em todas as crianças.
Não há epidemia.
Promessa de normalização pela GSK: junho de 2016 (será?)

Infuenza 2016 (tri ou quadrivalente)...
Quase todos já estão vacinados, e a vacina já está em falta. Na Clínica Len de Pediatria ainda temos, para crianças e adultos (Quadrivalente Sanofi). Vacinamos exclusivamente nossos pacientes e familiares.
Promessa de normalização: só em 2017

Demais vacinas, todas do calendário de vacinas, não estão em falta!