sábado, 29 de janeiro de 2011

Câncer de Mama X Câncer na Mama - Postado por Jairo Len

Após uma semana de férias, mas ainda viajando, volto a postar e aproveito o tema para falar sobre dois assuntos em um.
Um caso de telarca fisiológica (aparecimento de broto mamário em menores de sete anos de idade), que é relativamente comum e requer investigação, fez a mãe me perguntar: "será que pode ser câncer de mama, como diagnosticado na menina inglesa?".
Então vamos lá: Aleisha Hunter tem dois anos de idade e diagnóstico de "câncer de mama". O câncer de mama é uma doença que requer hormônios femininos. Portanto, só aparece após a menarca (raríssimo), sendo mais comum nos picos de estrógeno da vida (30 a 40 anos).
Muito provável que a menina inglesa tenha algum tumor na região das mamas, como um sarcoma ou outro tumor de pele. Não é o "Ca de mama".
Talvez seja pior, provavelmente é melhor...mas é importante que este fantasma não assuste de forma errônea.
A incidência de câncer de mama nas mulheres não tem aumentado nos últimos 20 anos. Se mantém alto e importante, requerendo atenção diária e exames de rotina.

O outro ponto que quero tocar é o que eu li na reportagem do G1.
Apesar de lutar contra um câncer importantíssimo, muitas mulheres nesta situação ainda tem mais um dilema para resolver: a certeza que não vão amamentar seus futuros filhos.
Fruto da pressão xiita em cima das mulheres a respeito de amamentar, amamentar e amamentar.
Mães dos meus pacientes sabem o quanto eu estimulo o aleitamento materno, com orientação, dieta, remédios naturais e até controlados, controles de peso, encaminhamento a equipes de enfermeiras especializadas, uso de bombas tira-leite, etc..
Mas sabem também minha posição quando, por qualquer motivo, não conseguem fazê-lo.
Chega de terrorismo. "Nasce uma criança, nasce uma culpa".
Será que é possível reverter isso?

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Dermatites dos pés - Postado por Jairo Len

Dermatite é o nome genérico de quaisquer doenças que acometam a pele. A dermatite pode ser fúngica, seborreica, alérgica ou atópica, eczematosa, etc.
Hoje vou falar das dermatites que mais tenho visto nos nas crianças - doenças bem comuns no verão.

BICHO GEOGRÁFICO - é o nome popular da doença causada pela Larva migrans, forma cutânea - um minúsculo parasita que habita as praias e tanques de areia. Quem as deposita lá são cachorros e gatos, muitas vezes levados pelos próprios donos... A lesão tem este nome porque a larva caminha (0,5 a 1 cm ao dia) no subcutâneo, deixa um rastro, um caminho, que um dia alguém achou que parecia um mapa (= geográfico). Coça muito. O tratamento é feito através de cremes tópicos e algumas vezes medicamentos por via oral.



FRIEIRA ou PÉ-DE-ATLETA - este nome, que sugere doença causada pelo suor, é uma dermatite fúngica. Quem causa aquela descamação entre os dedos dos pés é um fungo, que adora lugares úmidos, escuros e quentes (como também a região das fraldas e a boca dos bebês). Devemos tratar a lesão (com antifúngicos em solução ou spray) e tratar os sapatos e tênis, com os talcos antifúngicos.




VERRUGA PLANTAR - ou olho-de-peixe. Esta doença da planta dos pés é comum o ano todo, mas vemos mais agora no verão. Em geral é uma lesão única, com 0,5 a 1 cm de diâmetro, com este aspecto da figura em baixo. Coça e pode doer. Tratamento é feito com colóide (gel grosso) medicamentoso, aplicado todos os dias. Eventualmente, podem ser retiradas/queimadas pelo dermatologista.


DESIDROSE dos pés ou mãos - esta é mais complicada - por não ser uma doença de causa única. Pode ser falta de hidratação, associada ao excesso de suor, uso de produtos químicos... São aquelas bolinhas, meio descamativas, que rompem, coçam, melhoram e voltam. Tem que ache que tem "ácido úrico" (não!!! nada a ver!), e assim por diante. Desidrose tem tratamento.

É isso. Espero que ajude no diagnóstico caseiro e procura do médico de forma mais rápida - porque tenho visto lesões avançadas. Aproveito e convido a reler o post sobre Celulite e impetigo, que escrevi um ano atrás.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Fumo, gestação e lactação - Postado por Jairo Len

Mais uma vez me deparei (é raro...!) com mães que fumaram durante a gestação e continuam fumando na lactação. Dilema...? Para mim, não. A minha orientação é no sentido que as duas coisas são incompatíveis. O fuma, ou amamenta... (em relação à gestação, muito pior...mas esta parte eu não acompanho).
Um estudo recente, realizado na Universidade de Minesotta, mostra que as alterações no DNA celular e danos genéticos iniciam-se minutos após a inalação da fumaça.
Na experiência, os cientistas acompanharam o caminho da substância fenantreno (um tipo de HAP) em 12 voluntários fumantes. Eles descobriram que esse hidrocarboneto rapidamente forma uma substância tóxica no sangue, que estraga o DNA das células, causando mutações que podem causar câncer.
Inúmeros estudos já mostraram relação entre fumo passivo na gestação, amamentação e infância com o aparecimento de importantes doenças no futuro (asma, câncer de pulmão, leucemia, etc).
O câncer de pulmão mata 3 mil pessoas por dia, no mundo.
Imagine o estrago que os fenantrenos podem causar nos fetos e nos bebês amamentados ao seio?
O estudo está publicado na revista “Chemical Research in Toxicology”.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Leptospirose - Postado por Jairo Len

Continuo falando sobre doenças...
Às vezes nos deparamos com situações inusitadas. Todos estamos no mesmo “barco” isso pode ocorrer com qualquer um de nós (pelo menos no Brasil). Um pai de paciente me contou que, numa das últimas enchentes em São Paulo, ficou ilhado e a solução foi abandonar o carro (no estacionamento de um Shopping) e partir a pé, com água na cintura, até um local seguro. Seu medo?
Leptospirose
A Leptospirose é uma doença bacteriana, causada pela Leptospira interrogans – que está presente universalmente na urina de ratos. Nas enchentes, galerias pluviais, esgotos e bueiros (a casa dos ratos) se misturam à inundação. As leptospiras se misturam à água e, havendo contato com a pele machucada, mucosas, arranhões, feridas nas cutículas podemos nos infectar.
Após o contato, a doença pode aparecer entre dois e 30 dias (“incubação”), sendo uma média de 10 dias. O quadro clínico mais parece uma virose: febre alta, dores de cabeça, dores no corpo e músculos (principalmente na panturrilha ou “batata-da-perna”). Pode haver vômitos e tosse. A doença pode durar até três semanas.
As formas mais graves apresentam icterícia (tom amarelado na pele e olhos) – e isso ocorre em 10% dos casos.
Os pacientes devem ser tratados com antibióticos, que diminuem a duração da doença e evitam complicações. Tratam-se também os sintomas, como náuseas, dores, desidratação.
Na República Federativa do Brasil morreram, entre 2001 e 2008, 1870 pessoas devido a esta doença.

Infelizmente não depende de cada um de nós a solução para este problema. Inundações existem no mundo inteiro, ratos e leptospirose também.
Mas realmente não observei nas imagens de inundações recentes na Austrália (por exemplo) esta quantidade absurda de garrafas pet, sacolinhas plásticas e demais objetos que vemos nas inundações daqui.

Além destas questões de civilidade (ensinar insistentemente e diariamente aos nossos filhos que lugar de lixo é no lixo e nada pode ser jogado na rua), em casos de enchentes, evite ao máximo se expor à água, mesmo na altura dos tornozelos.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Raiva - Postado por Jairo Len

Três episódios ocorridos nestas férias que fazem escrever este post.
Raiva, no caso, é a doença transmitida por animais após mordeduras (o nome científico de mordida é mordedura...) em humanos.
A raiva é uma doença que invariavelmente leva a morte. Para você ter ideia, no Brasil só há dois casos relatados de pessoas que se contaminaram e sobreviveram... Por isso a neurose em torno da vacinação após mordedura.
Este post não deve ser tido como um manual, porque cada caso deve avaliado individualmente.
Quando a pessoa deve ser vacinada contra raiva?
Caso 1 - Menino de 10 anos mordido por mico (macaquinho) em hotel fazenda, no interior de São Paulo.
Todas as pessoas mordidas por animais silvestres devem ser vacinadas. Mico, esquilo, hamster, etc... Estes bichinhos meigos podem ficar contaminados com raiva por meses sem desenvolver sintomas. Por isso, não adianta fazer aquela observação por 10 dias - recomendada em cachorros e gatos domésticos. Portanto, recebeu 5 doses da vacina. Mesmo porque, na maioria das vezes, os animais silvestres estão soltos na natureza.
Caso 2 - Menina mordida por morcego, nas férias em uma fazenda no interior de minas Gerais (não pelo morcego hematófago, e sim morcegos que só comem frutos). Deve ser vacinada?
Sim. Todas as pessoas mordidas por morcego, independente da classificação do morcego, devem ser vacinadas.
Caso 3 - Menina de 5 anos, brincando com gatinhos para adoção (todos em uma gaiolona) em um pet shop em São Paulo. Um gato arranhou a mão da menina, arranhão leve superficial, mas com pequeno sangramento.
Foi vacinada, 5 doses. Os gatos para adoção são pegos nas ruas e não são vacinados. Gatos se lambem o tempo todo, e as arranhaduras podem transmitir raiva. Nem deu para manter o gato em observação, porque nem se sabia qual deles arranhou - e o pet shop disse que um a um seriam adotados assim que houvesse solicitações...

ANIMAIS VACINADOS - Quando há mordedura (com sangramento, mesmo que puntiforme, por um só dente), os animais domésticos vacinados contra raiva devem permanecer em observação por 10 dias. Não há necessidade de vacinar a pessoa mordida, desde que o cachorro ou gato permaneçam sadios por este período. Isso é sempre feito porque animais domésticos, se contaminados por raiva, desenvolvem sintomas da doença em 10 dias. É claro que o poodle vacinado que não sai do colo da cunhada não tem chances de contrair raiva... Mas cachorros que passeiam e brigam, assim como gatos, tem riscos... E nunca se sabe, com certeza 100% absoluta, que a vacina que receberam foi eficaz, se "pegou", etc...
ANIMAIS NÃO VACINADOS - Recomendo que, mesmo que podendo haver observação de cachorros ou gatos "de rua" não vacinados, os "mordidos" sejam todos vacinados. É a mesma recomendação para as mordidas de animais silvestres.
ANIMAIS SILVESTRES DOMICILIARES - Para os que curtem ter alguma espécie de roedor em casa (hamster, chinchila, etc...) - saibam que estes não são transmissores de raiva. Nada contra tê-los, mas podem transmitir inúmeras outras doenças através de mordidas.
LAMBIDAS - Lambidas em mucosas (boca, olho) são tão importantes na transmissão de raiva quanto uma mordida... Portanto - questão de bom senso - mantenha animais não domesticados bem longe do seu rosto e das crianças.
Enfim... Todo cuidado é pouco em se tratando de animais não-domesticados. Todos os pais, logo após o ocorrido, não acreditam como as mordeduras ou arranhaduras puderam acontecer, que foi uma "bobeada" e que nunca mais vai se repetir.

Quem resiste?? Lembre-se que são 5 vacinas, uma por semana...

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Truque Quântico - Postado por Jairo Len

Em novembro de 2010 eu postei sobre as pulseiras quânticas (leia o post). No post, questiono totalmente o funcionamento delas.
Reportagem de hoje da Folha de São Paulo de hoje confirma: "A empresa Power Balance foi obrigada, na Austrália, a desmentir publicamente os supostos efeitos terapêuticos de suas pulseiras e a garantir o reembolso a consumidores que se sentirem lesados pela propaganda enganosa". "Em novembro, a empresa foi multada em 15 mil euros (R$ 33 mil) na Espanha por fazer propaganda enganosa. No mês seguinte, a Power Balance foi multada em 300 mil euros (R$ 663 mil), na Itália".
No Brasil, houve a proibição da propaganda enganosa, mas não há restrição à venda e muito menos reembolso.
Para sua curiosidade, 200 mil pessoas já compraram as pulseiras aqui no Brasil.


Figura da repostagem da Folha de São Paulo. Acredita agora?


sábado, 1 de janeiro de 2011

Jogos em 3D versus Visão - Postado por Jairo Len

DS 3D: você ainda vai ter um destes em casa
Começo o ano falando sobre joguinhos.
Se seus filhos tem um Nintendo DS (certamente eles tem um, se tem entre 5 e 10 anos), você sabe que, além dos DS, DSi e DS extra-large, a promessa para este ano são os games portáteis em 3D, inclusive sem óculos especiais.
A Nintendo - gigante japonesa do setor de videogames - alerta para o risco de danos à visão em crianças pequenas que usarem os games em 3D. Vale para os menores de 6 anos de idade.
Os novos DSs poderão ser usados em 2D e 3D. E a recomendação está na caixa do produto.
Não há informações científicas sobre o assunto. A recomendação é da própria Nintendo.
Muitas pessoas  tem desconforto "labiríntico" ao assistir imagens em 3D - semelhante ao andar em montanhas russas, girar em uma cadeira ou andar de carro em curvas. Não é algo que faça algum mal permanente, e sim transitório.
Estudos mostrarão se os games 3D fazem mal... Se fizerem abaixo dos 6 anos, certamente farão mal para os mais velhos também.

O que posso dizer agora é que estes joguinhos são a salvação das crianças, pelo menos em um dia de muita chuva no litoral...