quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Medicina Alternativa X Lucidez - Postado por Jairo Len

Li, na Folha.com, uma entrevista muito lúcida e interessante, com o pediatra norte-americano Paul Offit, um dos criadores da vacina contra rotavírus, sobre as "medicinas alternativas" e a incrível crença das pessoas nela. 
Offit é autor de inúmeros livros, incluindo o recém-lançado Do You Believe in Magic? -
"aonde dispara contra o mercado das vitaminas vendidas em altas doses, dos suplementos alimentares que prometem ações semelhantes à de remédios e dos profissionais que oferecem "curas" com preço alto mas sem base nenhuma em pesquisas para doentes terminais."
Ao mesmo tempo em que critica a medicina atual, pela falta de atenção e frieza com pacientes, ele julga "desconcertante que as pessoas tenham a ideia de que [a medicina alternativa] algo é seguro e funciona quando pode não funcionar e não ser seguro. Essa indústria, alternativa, é colocada como intocável"..."Gostaria que tivéssemos o mesmo ceticismo com a medicina alternativa que temos com a medicina moderna".

Concordo...às vezes atendo famílias, na Clínica, que são super preocupadas com os medicamentos alopáticos que usamos. São de ler bulas, pesquisar na internet sobre efeitos colaterais, estatísticas. Estamos falando de antialérgicos comuns, sem cortisona, de analgésicos ou antibióticos, sabidamente seguros quando bem indicados.
Estas mesmas famílias vão a um homeopata, por exemplo, mandam fazer uma medicação em uma farmácia qualquer de manipulação, remédios que contém 5% de álcool (= cerveja) e dão aos seus filhos. Sem bula, sem questionamento, sem imaginar que isso possa fazer mal ou, pelo menos, que não há qualquer comprovação científica...
Falo para estas famílias que não sou "exatamente" contra...mas me surpreende esta atitude: tanto senso crítico por uma lado, tanta leniência para outras coisas...

Enfim... Na pediatria não enfrentamos muitos desastres por causa das terapias alternativas, mas muitos conhecem os efeitos de não-tratar alguma doença mais séria, bandear para a terapia alternativa, e depois ficar tarde para consertar.

Para quem queira ler a entrevista completa, segue o link da FOLHA.COM


 

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Campanha "Vacinação em Dia" - Postado por Jairo Len

Entre os dias 24 e 30 de agosto de 2013 o governo promove uma mega-campanha de vacinação para crianças menores de 5 anos de idade.
A idéia é "atualizar a carteira de vacinação" das crianças.
Iniciativa importante, porque o índice de cobertura vacinal nesta faixa etária, aqui no Brasil, é deficiente. Por fatores de relapso, logísticos e culturais, parte da população deixa de vacinar seus filhos nos postos de saúde.
O governo evidentemente poderia favorecer essa política de vacinação no dia-a-dia, inclusive como uma forma de parecer que se preocupa com cada um de nós. Não é o caso.

De qualquer forma, a campanha é direcionada para quem está com a vacinação atrasada.
Se seu filho faz acompanhamento regular em um pediatra que é atento à vacinação, e se você sempre aplica as vacinas necessárias, não há necessidade de comparecer à campanha "vacinação em dia".

Em relação às crianças atendidas regularmente na Clínica Len, posso garantir que as carteiras de vacinação estão sempre em dia.
Poderia o governo aproveitar e checar se cada pai e mãe estão vacinados contra coqueluche, tétano, sarampo, rubéola e meningite C. Isso também ajudaria bastante, inclusive ao titular da pasta que está "louco" para ser governador de São Paulo...







segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Distúrbios do Sono em Crianças - Postado por Jairo Len

Mais números do que soluções concretas... Mas não deixa de ser interessante.
Um estudo realizado pela USP mapeou os distúrbios do sono em 1027 crianças entre 3 e 5 anos de idade, aqui na cidade de São Paulo. São crianças matriculadas na rede pública de ensino.
Resultados: 
- 48,5% das crianças avaliadas movimentam-se muito enquanto dormem, 
- 38% acordam durante a noite e demoram a voltar a dormir, 
- 35% roncam, 
- 21,9% urinam na cama.
Eu achei os números bem grandes, em comparação à população que eu atendo. Mas não deixa de ser o que vemos de problemas mais comuns em matéria de distúrbios do sono em crianças.
Mais do que incomodar os pais, estes distúrbios de sono afetam as crianças, com noites mal dormidas, cansaço e sono diurnos, queda do rendimento escolar, alterações de humor.

Procuro, desde os primeiros meses de vida, prestar atenção no sono dos meus pacientes - insistindo para os pais que procurem ter noites completas de sono.
Não é fácil, não há um só método que agrade a todos. Depende de inúmeros fatores ambientais e do ritmo de vida dos casais, do tipo de alimentação da criança, de fatores genéticos...
Mas posso garantir que todos os pais que, desde cedo, querem muito que os filhos durmam noites inteiras, terão sucesso, desde que façam o que tem que ser feito.
Algumas coisas dependem de condições físicas, como no caso das crianças que roncam e tem apnéias noturnas - a avaliação da obstrução de trato respiratório superior deve sempre ser feita com muita precisão e medidas terapêuticas devem ser tomadas.
A velha história - desde os primeiros meses de vida - dos rituais, é a mais importante. Hora certa de banho, jantar, da historinha, das atividades suaves noturnas, baixo volume e dormir cedo (20-21h00) ainda são os fatores mais importantes para o sono noturno. Conforto térmico também deve ser levado em conta.
Para os casos mais severos, recomendo auxílio de especialistas (psicóloga, neuropediatra), uma vez que é extremamente importante dormir bem.

E, para todos os pais, muita paciência e afinco [perseverância, persistência], porque muitas vezes o processo pode levar meses ou anos...mas deve começar sempre o mais cedo possível.


Kama Sutra, após os filhos...
imagem: www.parents.org