sábado, 21 de fevereiro de 2009

"Semana de Carnaval"

A Clínica Len de Pediatria volta a atender a partir de 4ª feira, dia 25 de fevereiro de 2009.
Em caso de dúvidas ou emergência, utilize nossos telefones de contato.

Dr. Jairo volta a atender no dia 1º de março, 2ª feira.

Bom Carnaval a todos!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Carnaval e Dengue - Publicado por Jairo Len

Os casos de dengue no mês de Janeiro, em São Paulo, diminuiram 10 vezes em relação ao ano de 2008. O que é ótimo, mas não alivia a necessidade de muita proteção.
Além de todas medidas de não proliferação do mosquito, o único jeito de evitar a dengue é a proteção individual contra os mosquitos.
As áreas mais quentes e úmidas (litoral) são sempre mais infestadas pelo mosquito da dengue, que tem como características curiosas:
- Só a fêmea "pica", e preferencialmente durante o dia,
- O mosquito vive pouco, tem hábitos diurnos, não voa "alto" nem por longa distância,
- Cada mosquito pica "só" 3 pessoas durante a vida,
- O pior: cada fêmea infectada coloca cerca de 200 ovos e os mosquitinhos já nascem infectados e podem transmitir a dengue. Os ovos vivem anos no meio ambiente e após períodos de chuva e calor, eclodem.

PROTEÇÃO INDIVIDUAL

O ideal são os repelentes. Em áreas endêmicas, use, sem dúvida, durante o dia e à noite, nas crianças.
As boas marcas do mercado são confiáveis, como o Off Kids, Repelex, Autan Sensitiv, Exposis, além de alguns naturais, como o da Weleda. Particularmente prefiro os "medicamentosos", mais eficazes.
Não confie em pulseirinhas repelentes ou repelentes eletrônicos.
Como qualquer produto para a pele, podem causar alergias - geralmente leves. Neste caso, entre em contato!

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Só aos 22 ??? - Publicado por Jairo Len

Folha de São Paulo - Filhos só valorizam os pais a partir dos 22 anos.
Estes são os resultados resultados de um levantamento realizado na Grã-Bretanha com 5.000 famílias.
Metade dos entrevistados disseram que sentiram mais respeito pelos pais depois que saíram de casa e tiveram seus filhos - depois de terem passado meses em claro, cuidando de seus próprios filhos e aprendendo a ser bons pais.
Um quarto dos entrevistados disseram que sair de casa foi um choque, e mais da metade afirmou que sentiu falta da proteção paterna. Cerca de 17% disseram que foi preciso entrar na universidade para passar a valorizar o apoio recebido dos pais.
Outra conclusão do estudo é que as mulheres começam a escutar os conselhos do pai e da mãe sobre seus filhos, em média, aos 27 anos de idade. Com os homens, isso ocorre mais tarde, aos 29.

Tarde, não?

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Vacina contra GRIPE (Influenza) 2009 - Publicado por Jairo Len

Já está disponível para aplicação a vacina contra gripe (causada pelo vírus influenza) com as cepas para 2009. Anualmente a Organização Mundial da Saúde (OMS) monitoriza os vírus e define quais serão os influenza presentes na vacina anual.
A vacina é calendário oficial (obrigatório) para as crianças nos Estados Unidos. No Brasil, aonde o Governo mal vacina para o que deveria, não há uma recomendação oficial. A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que as crianças sejam vacinadas.

Já ouvimos casos de gripes por influenza neste ano, mesmo antes da época endêmica, que é no outono e no inverno. No ano passado tive alguns pacientes com inflenza, confirmados, na Clínica, através do teste rápido.

A vacina é segura e pode ser aplicada a partir dos 6 meses de idade. É mandatório que as crianças que frequentam berçários e escolinhas e aquelas com irmãos mais velhos em idade escolar sejam vacinadas.

Gripe não é resfriado. É uma doença importante, com possíveis complicações e muitos transtornos.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Tatuagem de hena - Cuidado! - Publicado por Jairo Len

Não é raro a gente ver crianças com tatuagens de hena, principalmente no verão. Com a novela da Globo, "Caminho das Índias", a tendência é que a moda aumente.

Não é rara, também, a reação na pele após estas tatuagens, geralmente feitas na praia, de forma "rústica", sem ao menos se saber qual é o produto utilizado, se é mesmo a Lawsonia inermis, a hena natural. Sabemos que podem ser acrescidos corantes e substâncias químicas prejudiciais à pele, para melhorar a cor da tintura.

Estas reações podem ser fortes, bolhosas, necessitar do uso de antibióticos tópicos e por via orais - e ainda deixam marcas por bastante tempo.
No Brasil, de acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), não há regulamentação para uso de hena em tatuagens, apenas em tinturas para cabelo. Nos Estados Unidos, onde a tintura também é utilizada por quem não quer levar a tatuagem no corpo pelo resto da vida, um caso de reação forte à hena foi tema de artigo na revista científica "New England Journal of Medicine", em agosto de 2008.

Portanto, muito cuidado!

As tatuagens geralmente aplicadas em festas infantis (com água) podem ser opções mais seguras e não causam quaisquer tipos de reação na pele.

Na foto: reação à tatuagem de hena. Particularmente já vi, na Clínica, reações semelhantes.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

"Porcaritos" são piores do que está escrito na embalagem... - Publicado por Jairo Len

Que os alimentos industrializados destinados para as crianças, como salgadinhos de pacote, bolinhos prontos e bolachas doces tem excesso de calorias, sal e gorduras, todos sabem.
A novidade é pior: muitos deles contem mais sódio, açúcar e gorduras do que está escrito nas embalagens. Ou seja: nem adianta ler se é zero de gorduras trans, se tem pouco sódio ou se tem baixos teores de açúcar - seu filho está comendo alguma coisa ainda pior do que parece.
A lista é ampla e, a meu ver, reflete o que provavelmante acontece com a maioria destes produtos - que todos sabemos que são prejudiciais à saúde dos filhos mas muitos de nós temos no armário de casa:

Veja a lista testada pelo IDEC - Instituto Brasileiro de defesa do Consumidor:

http://www.estadao.com.br/e/a16

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Vacina contra Rotavírus - Publicado por Jairo Len




Nos últimos dias os pais tem me perguntado sobre a vacina de Rotavírus - existe uma propaganda na mídia impressa, rádio e televisão sobre esta vacina.
A vacina contra Rotavírus já é aplicada rotineiramente desde março de 2006 em todas as crianças brasileiras - faz parte do calendário de vacinação oficial do Ministério da Saúde. Infelizmente a vacina só pode ser aplicada em crianças menores de 3 meses e 7 dias (1ª dose).
Portanto os maiores, que não receberam a vacina, não podem ser imunizados.
Existem duas vacinas aprovadas para uso no Brasil: a Rotarix (da GSK, Belga) e a RotaTeq (da MSD, Estados Unidos) - esta segunda é a pentavalente, que chega a quase 100% de cobertura contra os Rotavírus encontrados no Brasil.
Aplicamos a vacina pentavalente contra o Rotavírus rotineiramente na Clínica Len de Pediatria (como sempre, exclusivamente para os nossos pacientes).

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Volta às aulas: volta às doenças? - Publicado por Jairo Len

É marcante a diferença da frequência de doenças infecciosas no período de férias: muito menor, sem dúvidas. Como podemos diminuir a incidência das doenças infecciosas como amigdalites, faringites, resfriados e estomatites, entre outras?
A meu ver, em uma única resposta:
LUGAR DE CRIANÇA DOENTE NÃO É NA ESCOLA.
Escola é importantíssima e fundamental para as crianças saudáveis. Mas uma criança com febre, lesões orais (como a estomatite), dor forte de garganta, diarréia ou vômitos deve ficar em casa, recebendo o cuidado necessário. E isso vale para os ocorridos até 24 h anteriores.
Exemplo: febre de 38,5ºC no final da noite. Acordou bem. Vai à escola? NÃO. Provavelmente a febre vai voltar. A infecção está prota para ser transmitida. Um dia em casa para observação e recuperação. Vinte e quatro horas sem febre? Pode voltar para a escola, se não houver restrição pediátrica.

Com uma medida simples como esta tenho certeza que o índice de infecção entre os escolares seria muito menor. Responsabilidade dos PAIS e da ESCOLA, que obrigatoriamente deveria ter um corpo médico ou de enfermagem para checar as crianças que podem estar doentes, diariamente.