terça-feira, 30 de agosto de 2011

Pintas - Postado por Jairo Len

As pintas são lesões de pele que podem aparecer desde o nascimento (nevos congênitos) ou que podem aparecer durante a vida toda (nevos adquiridos). O que faz uma pessoa ter pintas é a genética, principalmente.

A grande maioria dos nevos é benigna, não trazendo qualquer risco de malignidade. Porém, algumas transformações que as lesões sofram podem indicar malignidade.
Existe uma regra para a avaliação e seguimento das pintas, dando indícios de sua evolução para malignidade - é a regra do ABCD:
A - assimetria - se a lesão for ou começar a se tornar assimétrica (e não redondinha).
B - bordas - se as bordas da pinta tem irregularidades e mudanças de coloração.
C - cor - diferentes cores num mesmo nevo (variando de cor da pele até negro).
D - diâmetro - acima de 6 milímetros.

Os nevos que coçam ou formam feridas também tem maior importância.
Pintas com estas características merecem avaliação de um dermatologista e a realização de uma dermatoscopia, um exame que avalia detalhadamente estes fatores, dando scores para cada pinta e sua necessidade de remoção.
Um pinta pode evoluir (com baixíssima frequência) para um câncer de pele, como um melanoma - que é extremamente agressivo. Por isso, o cuidado deve ser constante.

Outros fatores que inspiram cuidados:
- Ter mais de 50 pintas
- Histórico familiar de câncer de pele
- Muita exposição solar antes dos 30 anos de idade
- Ter algum nevo melânico gigante congênito (com mais de 15 cm)
- Pintas em região de atrito (palma de mãos e pés)

Já as sardas são diferentes das pintas e não tem risco de se tornar malignas. Mas refletem uma característica de pele sensível, com maiores chances de sofrer os malefícios da exposição solar e malignidade de outras lesões de pele.


Nevo de 1 cm, assimétrico, bordas mal definidas e com múltiplas colorações: esse deve ser bem avaliado.


sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Genéricos - Postado por Jairo Len

Diariamente mães e pais me perguntam:
- O que você acha dos medicamentos genéricos? Confia neles?
Recente pesquisa mostra que metade dos médicos brasileiros não prescreve medicamentos genéricos, por não ter certeza da eficácia deles.

Vou expor a minha visão do assunto.
Remédio é coisa séria. Quando prescrevo um antibiótico para tratar uma pneumonia, ele (o antibiótico) sem dúvida é a parte mais importante do tratamento. Se algo der errado, o culpado serei eu, certo? Portanto não pode haver, no meu tratamento, nenhum viés. Confio no raio X (é uma imagem, eu vi), confio que a mãe está dando o antibiótico, e tenho que confiar, muito, neste medicamento.
Analogia
Para ilustrar este raciocínio (confiança), sempre dou o seguinte exemplo para os pais:
Imagine que o governo criasse a linguiça genérica. Frigoríficos terão isenção de impostos e fabricarão linguiças por um terço do preço.
Você compraria uma linguiça genérica fabricada pela Sadia, certo? E se fosse a linguiça genérica fabricada pelo "Zé do Porão", você compraria?
Porque não??? O governo jura que fiscaliza!
Com antibióticos e quaisquer outros medicamentos, o raciocínio é o mesmo.
Temos que confiar muito no fabricante, no laboratório produtor.

Em crianças raramente temos tratamentos a longo prazo, aonde, a meu ver, os genéricos de boas marcas podem ser usados. Quem usa medicamentos para o colesterol, pressão, e demais coisas mensuráveis a longo prazo, pode fazer seu controle e ver se o genérico tem funcionado.
Mas eu, para tratamentos de infecções, não qualquer genérico. Se tem marcas que eu confio, ok. Caso contrário, de forma alguma.

Mais um agravante, na pediatria: alguns genéricos são intragáveis, as crianças não tomam por causa do gosto ruim.

Quais são as boas marcas, os genéricos confiáveis?
Por motivos éticos, não posso listar aqui as marcas que eu confio ou não. Isso é subjetivo demais, vem de experiências pessoais, de tratamentos que não funcionaram, de remédios intomáveis, e relatos de pacientes. Cada médico e cada paciente tem suas preferências, e isso deve ser discutido no momento da prescrição.

E se for genérica, você "esprimenta"?

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Coqueluche - Postado por Jairo Len

A coqueluche é uma das doenças mais importantes que pairam pela humanidade. Existe e é descrita há séculos (primeiros relatos no século 16), e ainda é incidente nas "melhores famílias". No mundo, são relatados 48 milhões de casos novos anualmente.
A causa é uma bactéria, a Bordetella pertussis, e o principal sintoma é a tosse (whooping cough - tosse comprida), em crises, levando a falta de ar e insuficiência respiratória.
Recentemente tivemos, lá na Clínica, um caso confirmado e um fortemente suspeito. Dois bebês com menos de dois meses de idade. Nesta faixa etária a doença é importante.
As crianças recebem a vacina a partir dos 2 meses de idade, ficando protegidas, por conta dos reforços, até os 12 anos. A vacina é a tríplice - DTP - aonde o P é de pertussis. Aos 12 anos os nossos pacientes adolescentes recebem um novo reforço, através da DTP adulto.

Mas os bebês até os dois meses estão sem defesas para a coqueluche, que pode ser adquirida dos adultos (pais, avós e cuidadoras) - porque nestes adultos o quadro clínico pode ser mais brando e arrastado, ficando meses com a doença, sem diagnóstico.

O objetivo deste post é lembrar que esta vacina - a DTP adulto - é importante de ser aplicada nos pais, babás e enfermeiras - tanto para a proteção individual como forma de proteger os recém-nascidos. Em alguns estados (norte-americanos, claro) já faz parte do calendário vacinal das grávidas e do pai.
Além disso, a vacina protege contra o tétano.

Você se lembra de quando recebeu a última vacina contra coqueluche e tétano?

Já viu este cartaz em português? Será que o Ministério da Saúde do Brasil está preocupado com a coqueluiche?

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Dores de crescimento - Postado por Jairo Len

Uma das queixas mais comuns na clínica pediátrica são as dores nas pernas.
Na maioria das vezes, as causas de dores em membros inferiores são absolutamente benignas - e a mais comum destas dores é a "dor de crescimento". O nome é considerado incorreto, mas foi dado há 170 anos e assim se mantém.

Estas dores tem algumas características típicas:
- Ocorrem em crianças entre 2 e 12 anos (pico entre 4 e 6 anos),
- No fim da noite ou na primeira metade do sono (mais comum),
- Nas pernas: coxa, canela e panturrilha,
- Fazem a criança acordar,
- Em geral você chega e seu filho está esfregando a mão na área que doi,
- Não acometem as articulações,
- São de rápida duração, entre 10 e 30 minutos,
- Melhoram antes do Tylenol ou Alivium que você deu fazer efeito...

Não se sabe exatamente o que causa estas dores. Algumas teorias falam do impacto sofrido durante o dia, outras que é o periósteo (camada que reveste o osso) sendo esticado pelo crescimento ósseo. Na verdade, a causa não importa muito, porque se trata de algo benigno e transitório, sem qualquer tipo de sequelas.

O que fazer nas crises de dor?
- Massagear o local com as mãos, e eventualmente passar algum daqueles cremes anti-inflamatórios ou mentolados (tipo Cataflam gel, Gelol, Arnica, entre outros). Se as crises estão sendo diárias, estes cremes podem ser utilizados antes de dormir,
- Analgésicos por via oral, dependendo da intensidade da dor,
- Conversar muito com a criança e explicar que se trata de coisa benigna.

Apesar de ser uma dor simples de ser diagnosticada, quando estas crises se iniciam é interessante a avaliação do pediatra (ou do reumatologista pediátrico ou do ortopedista) para se afastar quaisquer outras doenças dos membros inferiores.


terça-feira, 16 de agosto de 2011

Estalar os dedos faz mal? - Postado por Jairo Len

A pergunta é frequente: estalar as articulações faz mal?
Recém-nacidos estalam, crianças e adolescentes se estalam, adultos pagam para ser estalados (pelos quiropatas). Não, não faz nenhum mal.
Os estalos tem algumas causas. Tem a ver com a cápsula que reveste as articulações, que assim como uma garrafa pet, fazem barulho quando mobilizadas; tem a ver com bolhas intra-articulares que são estouradas (como um plástico-bolha).

Este movimento, desde que seja feito de forma suave, não traz problemas. Não causa artrite ou artrose, não engrossa os dedos.
É claro que movimentos que forcem os tendões e cápsulas articulares, de forma repetitiva, podem lesionar, estalando ou não - são as lesões por esforço repetitivo. Estalar bruscamente o pescoço pode causar estiramento muscular e torcicolo, e assim por diante.
Para muitos, o movimento que faz estalar também alonga e relaxa a musculatura adjacente, trazendo conforto.
Conclusão:
 Irritante ou não, alguém que se estala o dia inteiro não está se mutilando.

Assim vai dar torcicolo...

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Aonde seus filhos dormem? - Postado por Jairo Len

De uma mãe super-atenta, recebi nesta semana um e-mail muito interessante. Apesar do nome do post, não falarei sobre insônias e parassonias.
Em um livro, o fotógrafo James Molisson mostra diversos quartos (e outros locais) aonde as crianças dormem, ao redor do mundo. Além de mostrar a diversidade humana do planeta, faz a gente ver que nossos filhos dormem em palácios.
Clique no link, aumente as imagens, vire as páginas, sinta-se um rei.

Where Children Sleep

Bom fim de semana!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Menarca precoce: uma realidade? - Postado por Jairo Len

É um fato que a idade da menarca (primeira menstruação) vem diminuindo nas últimas décadas. Em 1800, a idade de menarca era entre 16 e 17 anos. Em 1970, 13 anos. E a média mundial atual é aos 12 anos.
Que fatores tem contribuído para esta mudança?
Alguns deles são decorrentes da própria melhora dos índices de saúde. Com mais vacinas e menos doenças, as meninas tem uma infância saudável, sem complicações e agravos na saúde, importantes na idade da primeira menstruação. Meninas que tem doenças crônicas ou frequentes tem menarca atrasada.
O aumento da massa corporal no decorrer dos anos é outro fator: existe um peso mínimo para a menarca (em geral, 35 kg), e as meninas atingem este nível mais cedo, permitindo, se houver hormônios, a menstruação.
Os hormônios presentes nos alimentos (carne, frango) vem sendo aventados como causa de estímulo estrogênico, mas ainda não há comprovações que este fator altere a idade da menarca.
Inúmeros estudos mostram que quanto menor o nível sócio-econômico, mais cedo se dá a primeira menstruação. Um estudo feito na favela de Paraisópolis (em São Paulo) mostrou que as meninas que convivem com estímulos visuais eróticos (pai, mãe e filhos dormindo no mesmo cômodo...) tem menarca mais cedo que as outras.

Ainda que exista um viés importante, também se comprova que as meninas que "cuidam" da casa, como se fossem suas mães, podem ter a primeira menstruação mais novas. Cuidam dos irmãos mais novos, "vestem" o papel de mãe muito cedo.
O estímulo erótico presente em danças, televisão e novelas já é tido como fator de precipitação da descarga hormonal em meninas e meninos.

Fisiologia - Nas meninas, podemos considerar normal o aparecimento do broto mamário a partir dos 8 anos de idade. Ma,s sempre que ocorre entre 8 e 9 anos de idade, devemos prestar atenção se a puberdade não está evoluindo de forma rápida demais.
Aos 10 anos, considera-se absolutamente normal.
Entre o aparecimento dos brotos mamários e a menarca, em geral temos dois anos de intervalo.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

A boneca que mama no peito - Postado por Jairo Len

O título do post é literal. Nos EUA, foi lançada uma boneca que mama do peito das suas "mamães" (em geral, meninas de 3 a 10 anos). Polêmica em níveis superiores.
No kit da "Breast Milk Baby", uma camiseta para a menina vestir, que na altura das mamas tem um sensor: assim que a boneca é colocada lá, começa a sugar.
Eu não compraria uma destas para a minha filha.
Imagine que as discussões, por lá, chegaram aos programas de entrevistas na TV. O representante da marca que produz as bonecas defende que, no lugar de mamadeiras, "este é um modo natural das meninas cuidarem das suas bonecas/filhinhas". "Além de não desestimular o conceito de aleitamento materno quando as meninas oferecem mamadeiras às bonecas" (é para rir ou chorar? Xiitas da amamentação, quero ouvi-las!!!!).
Felizmente todos os formadores de opinião nos EUA, lúcidos, acham que este tipo de boneca estimula a sexualidade das meninas e põe a carroça na frente dos bois. Brincar é a coisa mais importante que uma criança pode e deve fazer, mas tudo tem limites. Imagine a Berjuan (fabricante da boneca) criando os papais e mamães da boneca, e o modo como eles se reproduzem para ter a bonequinha. Interativo...


Olha que gracinha...

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Chá - Postado por Jairo Len

Dúvida frequente: "Posso dar chás prontos para meus filhos?". Entende-se por chás-prontos aqueles industrializados que você compra em lata ou embalagens longa-vida - em geral chás verdes, mate, brancos, amarelos, light ou não, aromatizados, etc...
Chás naturais, feitos em casa, sem cafeína (camomila, erva-doce, cidreira...) são ótimos e não tem quaisquer restrições. Preferencialmente, sem açúcar.
Já os chás-prontos, alguns inconvenientes:
- Em primeiro, estas bebidas, além do extrato da erva, contém alguns aditivos químicos, como acidulantes, antiespumantes, conservantes, estabilizantes, aroma sintético e antioxidantes.
- Os light, contém edulcorantes artificiais (que em pequenas quantidades são inofensivos). Os normais, contém açúcar.
- Chás verdes, brancos, vermelhos, preto e mate contém, naturalmente, cafeína. A cafeína é um neuro-estimulante e, se consumida rotineiramente, diminui a absorção de cálcio pelo organismo.
- Assim como refrigerantes, o consumo de quaisquer bebidas com sabor, às refeições, aumenta a ingestão de outros alimentos - por manter as papilas gustativas sempre limpas. Sabe aquele "sorbet" que se serve, em jantares chiquérrimos, entre os pratos? É justamente para isso, limpar as papilas gustativas.

"Posso ou não posso dar?"

De vez em quando, sem problemas. Assim como os néctares prontos (vulgo suco de caixinha) e quaisquer alimentos industrializados, o consumo eventual não traz qualquer problemas. Na rotina do dia-a-dia, água é bem mais saudável.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Fim de férias - Postado por Jairo Len

Após duas semanas sem escrever, volto a postar.Nas férias de julho, principalmente após os primeiros 10 dias, os pediatras diminuem suas prescrições de antibióticos em 90%. As infecções desaparecem...
Neve para alguns, 42ºC de temperatura ambiente para outros, piscina e mar durante horas, sorvetes, ar condicionado, sol escaldante, água gelada, mãos nem sempre muito limpas, sujas de terra. Aeroportos lotados e voos prolongados em aviões, aonde a umidade do ar é de 5%...
Mas as crianças voltam saudáveis!

O que causa doenças infecciosas?
É evidente que em período de aulas o índice de infecções aumenta, naturalmente. Não tem como... Mas se mães e pais forem responsáveis, deixando seus filhos com febre se recuperando em casa (e não convalescendo na escola) já ajuda muito.
A disseminação das doenças infecciosas em crianças tem grande responsabilidade dos pais e de escolas que permitem crianças doentes em contato com as demais.
Lembre-se disso, cobre da escola a parte dela.

Descobrimos também em julho que:
- A dieta do brasileiro é pobre em frutas e legumes,
- Crianças e adolescentes que usam muito o celular não tem risco aumentado de câncer de cérebro (publicado no "Journal of the National Cancer Institute"),
- O uso de drogas é um sério problema, e mata (aproveite a morte de Amy e mostre para os filhos o que as drogas fazem...),
- O stress materno durante a gravidez afeta a criança/adolescente por toda a vida, do ponto de vista hormonal, físico e mental (estudo da Universidade de Konstanz, na Alemanha),
- E, finalmente, um estudo do British Medical Journal mostra que é um mito a velha lenda que devemos tomar dois litros de água por dia. O nosso organismo tem um excepcional mecanismo de regulação da necessidade de água, chamado sede. Quando temos sede, devemos beber água. Não precisa forçar... O estudo ainda lembra que são usadas, por ano, 500 milhões de toneladas de plástico para a produção de copos e garrafas descartáveis. Caso queira oito a dez copos de água por dia, use copos e garrafas reutilizáveis...

Fim de férias, de volta para baixo das núvens...