quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Vacinação contra Gripe Suína - Postado por Jairo Len

Os jornais tem noticiado sobre a provável chegada - em março de 2010 - da vacina contra gripe suína.
A vacina contra gripe suína já está disponível e em uso no hemisfério norte. Quem está nos EUA pode pagar e recebê-la sem qualquer burocracia em farmácias, como a Walgreens.
Mas como será no Brasil?
Não sei exatamente... Se depender das promessas do ministério da saúde, haverá 90 milhões de doses, e a vacina estará disponível nos postos de saúde (para profissionais da área de saúde, crianças abaixo de 2 anos, doentes crônicos e idosos, inicialmente) e também será disponibilizada nas clínicas de vacinação (como acontece todos os anos).
A vacina contra gripe (2010) será tríplice - como sempre foi - protegendo contra o influenza "A" sazonal, o influenza "B" sazonal e o H1N1.

De um modo geral, não acho que esta vacina mereça qualquer frisson. A gripe suína, em teoria (números oficiais), causou menos óbitos que a gripe sazonal, que ocorre todos os anos. Sempre repito que a gripe sazonal mata cerca de 20.000 norte-americanos por ano. Uma doença séria e que todos devem ser vacinados contra ela.
A gripe por H1N1 (gripe suína) também é importante, e por isso todos devem ser vacinados, também.

Concordo com a opinião que houve um exagero midiático em cima do H1N1. Muita gente lucrou com isso, os laboratórios produtores de remédios e vacinas tiveram resultados excelentes... A capa de uma revista "Veja" cujo assunto é sobre saúde ou epidemias vende 2 a 3 vezes mais, você sabia?
Mas não se pode minimizar a gripe - que é sempre uma doença que não deve ser subestimada.

A vacina chega, é segura e todos devem recebê-la. Mas não deve se tornar um "acontecimento".

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Pensar no futuro nos move para frente - Postado por Jairo Len

Mais um estudo "metafórico" publicado em uma importante revista on line de medicina, da Association for Psychological Science. Lynden Miles, Louise Nind e Neil Macrae, da escola de psicologia da Universidade de Aberdeen, identificaram que pensar no futuro pode nos mover para frente, enquanto lembrar fatos do passado, nos empurra para trás.
Os cientistas analisaram a reação do sistema sensório-motor quando as pessoas pensavam no futuro ou no passado. Com sensores de movimentos, foi possível notar que pensar no passado fazia com que as pessoas balançassem para trás, enquanto imaginar o futuro os movia para frente.

"A vida só pode ser compreendida olhando-se para trás; mas só pode ser vivida olhando-se para frente."
[Søren Aabye Kierkegaard (1813 - 1855) foi um filósofo e teólogo dinamarquês. É considerado um precursor do existencialismo].

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Quantos amigos virtuais você tem? - Postado por Jairo Len


Um estudo da Universidade de Oxford, na Inglaterra, conduzido pelo departamento de Antropologia Evolucionária, mostrou que o nosso cérebro é capaz de administrar, no máximo, 150 amigos virtuais.
Este número não mudou desde antes do aparecimento dos amigos virtuais, nos sites Orkut, Facebook, MSN, etc...
Nos anos 90 o professor de Oxford Robert Dunbar criou uma teoria batizada de "Número de Dunbar". Segundo ele, o neocórtex humano, área do cérebro que cuida da linguagem e do pensamento consciente - aquele que administra círculos sociais - consegue administrar no máximo 150 amizades - independente do grau de sociabilidade do indivíduo.
Entenda-se por amigo (virtual ou não) aquela pessoa que teve contato com você (virtual ou não) pelo menos uma vez por ano.
Alguma lição pode ser aprendida com isso?
- Em primeiro, que não adianta ter dois mil amigos virtuais. Você - e seus filhos, principalmente - só conseguem se relacionar com pouquíssimos. Como podemos fazer para que os adolescentes percebam isso, e não imaginem que a quantidade, em amizade, é o que importa?
- Em segundo, que temos que manter contato com quem julgamos ser nossos amigos (acho que uma vez por ano é pouco...).
- Em terceiro, o quanto importante é a segurança na internet - coisa que muitos pais facilitam. Centenas de amigos virtuais podem esconder alguns inimigos virtuais. Diariamente ouvem-se histórias arrepiantes de crianças e adultos que caíram em golpes e mais golpes...
- E, por último, uma coisa que para mim é bem clara - mas que muitos ainda torcem o nariz para isso - a internet, por mais solitária que possa parecer, é a única forma segura (desde que tomados os devidos cuidados) das pessoas ampliarem, infinitamente, o seu universo.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Pernas Tortas e Pés Planos - Postado por Jairo Len


Uma dúvida de quase todas as mães de crianças entre 1 e 2 anos de idade é se seu filho está com as pernas "tortas", joelhos em "x", pernas arqueadas, pés planos, pisada para dentro, e assim por diante.
Exceto se existe alguma alteração ortopédica que chame muito a atenção ou uma assimetria muito grande (que em geral são percebidos ao nascimento), não há nenhuma necessidade de avaliações ortopédicas antes dos 2 ou 3 anos de idade.
As pernas e pés das crianças entre o nascimento e os 2 anos de idade estão em fase de adaptação. A própria aquisição da marcha e o andar é que farão o exercício para as pernas "voltarem" ao normal e para os pés adquirirem curvatura.
Não se deve utilizar botas ortopédicas, palmilhas ou outras invenções por tratar-se de pés e pernas normais.
Aquelas crianças que possuem um pé normal e utilizam botas ortopédicas começam a apresentar problemas, pois estes calçados altos, duros, reforçados e, geralmente, muito pesados, não permitem uma marcha normal. Principalmente, se levarmos em conta o fato destas crianças ainda não terem uma marcha definida, normal, em termos de coordenação motora, pois seu sistema nervoso e músculo-esquelético ainda encontra-se em desenvolvimento (maturação). Outras medidas, como exercícios fisioterápicos, danças, caminhar na areia, uso de patins e outras crendices populares a respeito, são totalmente infundadas e sem comprovação científica.
Andar descalço (assunto de outro post) ou com sandálias e tênis firmes e bem adaptados aos pés ajuda na "correção" natural destas alterações fisiológicas (normais) que as crianças apresentam.
E, quando necessário, a escolha de um ortopedista pediátrico deve ser extremamente criteriosa.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Bisfenol A - Postado por Jairo Len

O policarbonato de Bisfenol-A (BPA) foi desenvolvido pela Bayer na década de 50 e é assunto extremamente atual nas rodas de mães, cientistas e sanitaristas.
Teoricamente, o BPA é uma substância cancerígena, pelo menos em estudos em animais. Na prática, nunca ficou comprovado que ele possa fazer mal a seres humanos - e, apesar das manifestações contra seu uso, as autoridades sanitárias não viam problemas.
Porém, na sexta-feira, o FDA mudou sua posição em relação ao BPA e disse que tinha "algumas preocupações sobre os efeitos potenciais desta substância no cérebro, no comportamento e na próstata de fetos, bebês e crianças". Informou que se uniria a outras agências federais de saúde para estudar o produto químico em animais e humanos.
Nada comprovado, mas a pulga está atrás da orelha da agência reguladora mais rigorosa dos Estados Unidos.

O que nós podemos fazer?

O BPA já foi assunto de postagens anteriores - mas sempre vale lembrar alguns detalhes. O Bisfenol-A é liberado no aquecimento de plásticos rígidos (outras substâncias, como os ftalatos, são liberados ao aquecimento de plásticos mais flexíveis, como o Majipack).

Portanto, ao usar o microondas:

- Evite aquecer alimentos em recipientes de plástico (policarbonato, tupperware) - aqueça os alimentos em recipientes de vidro ou cerâmicos.
- Evite cobrir com papel-filme ao aquecer alimentos (Majipack, etc).
- Não obstante a recomendação nas latas de fórmulas lácteas, não despeje água fervente dentro das mamadeiras de policarbonato.
- Após usar esterilizadores de mamadeiras, lave-as em água corrente.

Não sabemos se um dia alguma coisa ficará comprovada contra o Bisfenol-A, mas vale a pena se precaver.
Obs.: Já existem no mercado inúmeros produtos "Bisfenol-A free". Neste caso, sem restrições.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Viroses, viroses... - Postado por Jairo Len


O assunto é inesgotável... Depois de uma virose, sempre aparece outra...

A do momento é esta virose gastrointestinal que começou no Guarujá, e agora se estende para Ubatuba e praias do litoral norte de São Paulo (Guaecá, Barra do Sahy...).
Oficialmente não se sabe ainda o "nome" do vírus (rotavírus? norovírus? adenovírus?), mas isso não muda muito. Exceto para as crianças que já receberam a nova vacina contra rotavírus (só crianças na faixa de 3 anos de idade ou menos), que não pegariam a virose se realmente fosse um rotavírus.

Mas este post é mais para dar uma clareada nas idéias de "como a virose é transmitida". Não acho que seja a água da Sabesp litorânea. Pode-se até aventar a possibilidade que a água não deve ter tempo de ser super bem tratada no verão, mas até aí dizer que ela esteja contaminada por uma virose existe uma longa história.

Ontem uma mãe de bebê de 5 meses, que passa féria no Guarujá, me perguntou se a virose está mesmo "passando pelo ar" - o que eu mesmo li hoje nos jornais...
Falar que uma virose passa pelo ar é leviano. Viroses que se espalham pelo ar, pelo vento, pela atmosfera são só aquelas super-temidas, como a Varíola, Antraz, Ebola.
As viroses gastrointestinais podem passar de pessoa-para-pessoa através de espirros, do "spray" que se forma quando falamos, das gotículas de pflüge - os famosos "perdigotos". São secreções de vias aéreas. Mas pessoas a um ou dois metros das outras não transmitem viroses! As viroses comuns não passam pelo ar. Você não vai passear na praia e adquirir este vírus num golpe de vento.

Já a água do mar (milhares de crianças e adultos com virose se banhando, recebendo água contaminada daqueles riozinhos, que são esgoto não coletado), a água das piscinas, as barraquinhas de comidas com péssima higiene, a mão do sorveteiro e do vendedor de milho, os shoppings praianos, copos, pratos e garfos de restaurantes lotados... Estes fatores, somados a uma temperatura acima de 30ºC, é que são os grandes responsáveis pela transmissão das viroses...
Medidas de higiene pessoal só ajudam se todos o fizerem, como na época de epidemia da gripe suína. Senão, todos estão sujeitos a adquirir a doença.
Em caso de sintomas como vômitos, dor de barriga, febre e diarréia, entre em contato conosco.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Coxas, nádegas e quadris grandes fazem bem à saúde - Postado por Jairo Len

Finalmente uma boa notícia em saúde...
Um estudo publicado na revista International Journal of Obesity, realizado no Centro para Diabetes, Endocrinologia e Metabolismo da Universidade Oxford, conclui que um tamanho extra de coxas, nádegas e quadril é bom para a saúde, porque protege de doenças cardíacas e diabetes.
A presença de gordura controla os ácidos graxos e secreta agentes anti-inflamatórios, os hormônios leptina e adiponectina.
A presença de gordura abdominal, sabidamente, é prejudicial à saúde (é relacionada à síndrome metabólica).
Para as mulheres que se policiam tanto (exageradamente), agora existe um alento científico!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Células Tronco - Postado por Jairo Len


Sempre que casais ou gestantes vem conversar comigo (antes do bebê nascer) um dos assuntos que surge é "o que fazer com o sangue do cordão umbilical"... Doar para banco público? Pagar para congelamento privativo?
O assunto é complicado.
O mais importante, a meu ver, é que você saiba o que é exatamente e quais são os tipos existentes de células-tronco disponíveis, e assim tire suas próprias conclusões.
A definição básica para pais é, em primeiro lugar, que células-tronco hematopoiéticas (presentes no sangue do cordão) não são a mesma coisa que células-tronco embrionárias (presentes nos embriões gerados em clínicas de fertilização).
As CT hematopoiéticas só podem se diferenciar em outras células sanguíneas, e as CT embrionárias podem, teoricamente, se transformar em qualquer tecido do nosso corpo.
O "sangue se cordão" é usado, exclusivamente, para tratamento de doenças sanguíneas, como leucemias e aplasias medulares.

O que ocorre é que o conteúdo de uma única bolsa (de uma só placenta) dificilmente serviria para tratar qualquer doença da própria pessoa. Além da quantidade de células ser pequena para um tratamento (havendo necessidade de mais bolsas para um paciente), nas doenças do sangue é importante que o paciente receba a doação de OUTRA pessoa que tenha a "medula" igual a sua (chamado de transplante "alogênico"). Receber o próprio sangue (transplante "autólogo") serve apenas em 1 para 100.000 pessoas...

Diversos países do chamado "primeiro mundo" (com razão) já tem bancos públicos de cordão muito bem montados, com grande número de bolsas em estoque, e realizam, em média, cerca de 5 vezes mais transplantes que no Brasil. Achar bolsas compatíveis por lá é bem mais fácil que por aqui (aonde o custo é de cerca de US$ 40 mil por paciente).
O problema é que o "Banco de cordão" brasileiro, o BrasilCord, depende de coletas públicas ou, exclusivamente, de poucos hospitais. Em São Paulo, só o Albert Einstein o faz.
Se um bebê nasce no São Luiz ou Pró-Matre, só existe a opção de congelamento privativo (através de firmas como a Criopraxis ou Criogenesis).
E, relembrando, nada a ver com as promissoras células-tronco embrionárias (pluripotentes), cujo uso ainda está em fase de pesquisas, podendo tratar doenças cardíacas, neurológicas, auto-imunes, etc... Estas células, se quiséssemos guardar para "uso próprio", não estaríamos aqui... Elas são retiradas dos blastocistos quando "nós" ainda somos um emaranhado total de 8 células, 3 dias após a nossa fecundação...

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Celulite e Impetigo - Doenças de Verão - Postado por Jairo Len

Além das viroses e da Dengue, o verão é a época aonde vejo um aumento dos casos de Impetigo e Celulite (esta Celulite não tem nada a ver com a famosa "celulite" que atrapalha o sono de tantas mulheres e alguns homens...).
O Impetigo é a infecção local, na pele, decorrente das picadas de mosquitos coçadas pelas crianças (e adultos). O mosquito pica, a criança coça e contamina a própria ferida com as bactérias que vivem em baixo nas nossas unhas.
Na figura abaixo mostro um típico Impetigo, no pescoço:

Quando a infecção é um pouco mais profunda, atinge o tecido celular subcutâneo - e causa a Celulite, que é uma infecção mais importante, que vai "caminhando" por baixo da pele. É decorrente de uma picada, de um Impetigo, e de inúmeras outras causas. A Celulite pode aparecer como um simples inchaço avermelhado ou como bolhas na pele:
Como na foto abaixo, uma Celulite, com bolhas, no ombro:
Sei que muitos não gostam de ver estas imagens de "feridas", mas acredite que é importante que você saiba, mais ou menos, como pode evoluir e que aspecto tem uma picada de mosquito não tratada.
Este é o motivo deste post.
Como fazer para a picada não infeccionar?
- Em primeiro lugar, claro, proteção contra insetos (muitos pais "facilitam", esquecem dos repelentes).
- Em segundo lugar: lavar várias vezes ao dia as picadas coçadas com água e sabão ou usar algum antisséptico.
- Em terceiro lugar: assim que notar a picada, é muito importante que você use, 2 ou 3 vezes ao dia, uma pomada ou creme à base de antialérgico e antibiótico, combinados. As que eu recomendo, em geral (nomes comerciais):
- Diprogenta, Verutex B, Betnovate N, Trok G - como preventivos.
Quando o Impetigo já está instalado, outros cremes devem ser usados, mais potentes (sob prescrição, caso-a-caso).
Quando temos uma Celulite, o uso de antibiótico (oral ou venoso) é importante.
Portanto, atenção às picadas. Vale o velho bordão: prevenir é o melhor remédio...

domingo, 3 de janeiro de 2010

Adolescentes, Pouco Sono e Depressão - Postado por Jairo Len

Os adolescentes devem dormir, no mínimo, 9 horas por noite.
Esquecendo o período de férias (aonde descobre-se que alguém é capaz de acordar após as 13h00...), existe uma enorme preocupação com o número de horas de sono por noite, em todas as faixas etárias - mas nos adolescentes a falta de sono pode ter efeitos extremamente perigosos.
Num estudo publicado na Revista Sleep, edição eletrônica de 31/12/2009, o Prof. James Gangwisch, da Universidade de Columbia (New York), avaliou mas de 15.600 adolescentes com idades entre 12 e 18 anos e concluiu que os que vão dormir após a meia-noite tem 24% mais chances de ter depressão do que os que dormem antes das 22 horas (época de aulas...!).
Entre os adolescentes que dormem menos de 5 horas por noite, o risco de depressão é 71% maior do que entre os que descansam oito horas.
James Gangwisch disse que, apesar da possibilidade de que adolescentes deprimidos tenham dificuldade para dormir, a ligação entre a hora determinada pelos pais e a depressão sugere que a falta de sono tem um papel no desenvolvimento da condição.
Em média, os jovens dormiam 7 horas e 53 minutos por noite, menos do que as 9 horas recomendadas para a faixa etária. Dormir em outros horários não compensa a falta de sono noturno.
Sarah Brennan, que é presidente da organização de saúde mental inglesa YoungMinds, afirma que "sono suficiente, boa comida e exercícios regulares são essenciais para se manter emocionalmente saudável".

Então...novas regras após as férias??

O estudo está publicado sob o título original "Earlier Parental Set Bedtimes as a Protective Factor Against Depression and Suicidal Ideation", www.journalsleep.org.