terça-feira, 29 de julho de 2014

Vacina contra Meningite A-C-W-Y - Postado por Jairo Len

As meningites bacterianas ainda são doenças infecciosas muito importantes em pediatria - não exatamente pela frequência, mas pela gravidade e necessidade de rápido diagnóstico e conduta.
Nos últimos 20 anos tivemos a criação de novas vacinas, que protegem muito contra as meningites, como Hemófilus B, Pneumococos (a 13-valente), meningococo C. Ainda falta a vacina contra o meningococo B (muito importante).
E, há alguns anos, apareceu a vacina contra os meningococos A, W-135 e Y (que representam 4-5% dos casos no Brasil).
Esta vacina, que protege também contra o meningococo C, já "veio" e foi embora duas vezes do Brasil - a Novartis, sua fabricante, diz que é problema com a ANVISA (prá variar...).

De qualquer forma, no momento a vacina está disponível por aqui, nas clínicas particulares de vacinação. A quadrivalente Menveo (nome comercial da vacina contra meningite A-C-W/135-Y) foi aprovada no Brasil para uso a partir dos 2 anos de idade, até os 55 anos.

Ainda que não seja uma vacina indicada, no Brasil, na saúde pública, eu acho que todas as crianças devem receber uma dose desta vacina, a partir dos 2 anos de idade. Menos frequentes, os meningococos A, W e Y existem por aqui. Contra o meningococo C as crianças são imunizadas desde os 3 meses de idade

Na Clínica Len de Pediatria estamos usando a vacina para os reforços aos 5-6 anos de idade (antes realizados só através da vacina contra meningite C monovalente) e conversamos com os pais sobre a aplicação de uma dose aos 2 anos de idade. 
Todas as clínicas particulares dispõe da vacina. Como não tem concorrentes (a outra vacina igual, "Menactra", não é aprovada no Brasil), o valor da vacina ainda é alto, com preço final ao redor dos R$ 300,00. Deve cair aos poucos, caso a Novartis continue a trazer a vacina para o Brasil.

Ei-la. Sem urgência nem correria, vale a pena imunizar.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Alergia a iPad - Postado por Jairo Len

Utilizo uma curiosa notícia para falar mais um pouco sobre iPad (e, claro, incluindo todos os demais gadgets que as crianças são viciadas)...
Saiu na "Pediatrics", a revista mais importante do mundo pediátrico: 
"Um garoto de 11 anos foi levado ao hospital pediátrico Rady Children's (San Diego, Califórnia) com um problema de pele que foi diagnosticado como "alergia a iPad". A criança sentia coceira, causada por uma erupção cutânea, e os dermatologistas relacionaram o eczema ao uso do tablet da Apple".
Na realidade, alergia ao níquel que os aparelhos deste tipo sempre tem. 
Metais (niquelados) são causas frequentes de alergia, o que vejo mais em botões de calça, e alergia na barriga...

Evidentemente o problema da alergia ao iPad foi resolvido utilizando-se uma capa protetora, sem maiores problemas. O garoto certamente manteve seu vício...

VÍCIO
Ontem, em consulta na Clínica, uma família que acompanho há 10 anos tinha como queixa principal a intensidade com que os filhos se dedicam ao iPad e video-games
"Qual o limite de uso diário destes aparelhos? Faz mal mesmo?"
Não há respostas exatas, devemos sempre contar com o bom senso.
O que concluímos ontem, até de forma divertida, são alguns pontos que caracterizam um vício, e como todo o vício devemos ter bastante atenção:
- Acordar e correr para o Ipad como primeira atividade, antes de dizer bom-dia,
- Ter surdez ao usar iPad, não ouvindo qualquer outra coisa (do tipo "vamos comer", "vem tomar banho", "vem escovar os dentes"),
- Ter condições de segurar iPad com um braço e fazer atividades diversas com outro,
- Desesperar-se atrás de um carregador quando a bateria está com menos de 10%,
- Entrar em um restaurante e, antes de sentar, perguntar ao garçom qual é a senha do wi-fi...
- Tolerância - cada ver há necessidade de mais tempo diário de uso...
- Há relatos, já em literatura científica, de crises de abstinência...
- Seus filhos conseguem ficar mais tempo numa loja da Apple do que num cinema...

Incrível como lá em casa e na sua casa deve ser muito parecido...

TEMPO POR DIA
Não há um limite estabelecido, mas acho que o bom senso e o clima é que regem. E o momento... Tem hora para tudo, inclusive para tablets, e os pais devem estabelecer isso em comum acordo. 
Exemplifiquei ontem: em dias de chuva, é claro que pode-se usar mais; no carro, quando isso for conveniente; num restaurante, após todos acabarem de comer... Mas as crianças devem fazer de tudo um pouco, e até desenvolver o importantíssimo "ócio criativo", que é não ter nada para fazer e ter que inventar, com criatividade.

Como pais, devemos (ao menos quando temos tempo) nos dedicar a atividades extra-iPad, que as crianças sempre preferem.
Estávamos em uma fazenda neste fim-de-semana, tempo bonito, um monte de crianças... Os meus esqueceram que existe iPad, só foram lembrar à noite, após 24 horas de atividades que eles gostam mais: futebol, cipó, cavalo, trator... E mesmo assim o uso foi interessante, com todas as crianças interagindo.

Como limitar? Como tudo nesta vida, com horários e regras. Excelente aprendizado para as crianças...e com os tablets é mais fácil ainda: o castigo e a recompensa estão no mesmo aparelho. 





quinta-feira, 10 de julho de 2014

Chuteiras - Postado por Jairo Len

A Copa do Mundo acabando...mas acho que a moda das chuteiras, para meninos e meninos, ainda vai ficar por mais tempo.
Pergunta comum no meu dia-a-dia: o uso de chuteiras faz mal para os pés? Porque as crianças tem usado esses tipos de calçado o dia todo...

De um modo geral, não acho que traga grandes prejuízos, principalmente as chuteiras sem travas (as travas só devem ser usados em campos gramados, porque causam grande desestabilização dos pés).
Depende muito de cada criança, de ter alguma tendência a tendinites e outras causas de dores em articulações...

Chuteiras, em geral, não tem quaisquer mecanismos de amortecimento - e há aumento do impacto nos pés ao usá-las o tempo todo - e vejo que quanto mais se usa esse tipo de calçado sem amortecimento, maior é o índice de tendinites. Mas não ocorre, claro para todos.

E existem inúmeros outros calçados sem solas com amortecimento, sem interior anatômico, sem proteção de calcanhares...

Dos males, acho que este é um dos menores. No caso de dores nos pés, muda-se de calçado.
Modelitos não faltam....