domingo, 19 de dezembro de 2010

Repelentes: novidades - Postado por Jairo Len

Neste início de férias, me parece que a maior preocupação dos pais são os insetos. Como o sol, a hidratação e demais assuntos só mudam através das décadas, os mosquitos e a dengue são sempre um velho/novo problema.
Repelentes... Fui atrás de informação científica atualizada, séria, confiável. Porque ir atrás das recomendações da ANVISA é tacanho. Meus posts antigos não me deixam mentir: sempre disse que os repelentes podem ser usados a partir dos seis meses de idade, independente das proibições em "bula". Pais e mães, diariamente, querem que eu "confirme" a indicação desta faixa etária, porque, no rótulo, só a partir dos dois anos.

Nas "dicas seguras para o verão", publicadas pela Academia Americana de Pediatria (o alter ego dos pediatras), uma surpresa: repelentes à base de DEET podem ser usados a partir dos dois meses de idade. O DEET é liberado para uso nos Estados Unidos a partir desta idade. No Brasil, dois bons repelentes à base de DEET são: Off Kids e Repelex Kids.
A Icaridina (no Brasil, Exposis Infantil) é liberada a partir dos dois anos de idade. Nos Estados Unidos, a partir dos seis meses.

Está aí então a nova recomendação. Repelente à base de DEET pode ser usado a partir dos dois meses de idade. Para quem queira ler estas e outras recomendações, recomendo o SUMMER SAFETY TIPS. Conteúdo em inglês e espanhol. Vale a pena.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Revolução no quarto do bebê - Postado por Jairo Len

Até gostaria de falar só sobre as férias e viagens, mas uma notícia de última hora me faz mudar o rumo da prosa.
Em votação unânime, o U.S. Consumer Product Safety Commission (que equivale ao INMETRO norte-americano, versão séria e rigorosa) baniu do comércio dos Estados Unidos os berços com laterais móveis. Em inglês, drop-side cribs.
Isto mesmo...Aquele berço que você tem ou teve em casa - cuja lateral abaixa, facilitando a colocação e retirada dos bebês... A proibição vale a partir de junho de 2011, nos Estados Unidos. Proibido qualquer tipo de comércio: produção, venda ou revenda. O motivo: nos últimos 13 anos, mais de 30 crianças morreram devido a estas grades móveis. Por asfixia, enforcamento e mau funcionamento. Grades que abaixam ou se soltam sozinhas, por defeito, puxando lençóis e cobertores, por exemplo.
Mais de 9 milhões de berços tiveram recall, nos Estados Unidos, nos últimos cinco anos, devido a problemas de segurança, incluindo as grades móveis.
Salvo amnésia profunda, nunca ouvi algum recall de berço aqui no Brasil.
Mas acredito que, em breve, a proibição será copiada por aqui...

Sei que os norte-americanos são excessivamente draconianos, mas uma proibição como esta, com uma repercussão gigantesca do ponto de vista comercial, deve ter sido bastante discutida.
Somos sobreviventes...! Dormimos de bruços, mamamos leite integral, usamos paninhos para dormir, não usávamos cinto ou cadeirinha e tinhamos berços perigosos, sem saber...

Este berço dos sonhos, nunca mais...


segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Produtos que eu indico - Postado por Jairo Len

Nesta época de férias, recebo e-mails diariamente sobre quais produtos eu indico como protetores solares, repelentes e hidratantes. Existem dezenas de bons produtos, caros, por aqui. Estes que eu listo abaixo são alguns dos que, na minha experiência, são eficazes e hipoalergênicos. Nos Estados Unidos paga-se um terço ou um quarto do preço para produtos da mesma qualidade. Então, primeira recomendação: se for para lá, encha a mala... E para quem vai comprar aqui:

Protetores Solares
Anthelios Dermopediatrics FPS 50 (La Roche Posay)
Capital Soleil Vichy Infantil FPS 50
Banana Boat baby Block FPS 50 (bom custo x benefício)
Em spray, o que é muito prático para "repassar" o protetor nas crianças mais velhas, temos poucas opções, e caras. O que eu recomendo é o Neutrogena Fresh Cooling FPS 45. Outro produto, novo e a bom preço, que ainda não testei, é o Coppertone Continuous Spray FPS 50 (Fabricado nos EUA pela MSD).
Todos os protetores solares podem causar alergia, por melhores que sejam. E só devem ser usados acima dos 6 meses de idade.

Hidratantes
Linha Cetaphil (o melhor é o Cetaphil Advanced, tubo de 226 g) - produzido pela Galderma.
Linha Fisiogel (o melhor é o Fisiogel A.I.) - produzido pela Stiefel.

Repelentes
Exposis Infantil - spray
Off Kids loção - spray
Os repelentes, de uma forma geral, são produtos que podem causar reações alérgicas com frequência. Só podem ser usados nos maiores de 6 meses de idade.

Como coloquei antes, estas são marcas que eu indico. Existem diversos produtos cosméticos infantis que meus pacientes usam e confiam...mas em geral, infelizmente todos estes produtos bons tem um preço elevado, principalmente quando comparamos com os preços fora do Brasil.
Sem neura...Só para lembrar...

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Viagens com crianças - Postado por Jairo Len

As férias chegaram. As escolas já estão nos "finalmentes" e as viagens programadas.
Vou tentar falar disso neste mês - salvo algum assunto mais importante que apareça (espero que não..., ainda que existe uma nova doença no Brasil - 3 casos de Febre de Chikungunya - transmitida pelo Aedes, o mosquito da Dengue).
Voltando às viagens... Os pais tem me perguntado sobre os destinos mais adequados. Não existe resposta que sirva para todos, mas voos muito longos, escalas e temperaturas extremas não são o que as crianças escolheriam se pudessem optar...
E me perguntam "dicas". Não sou um frequent flyer, e estou iniciando minha carreira de viagens mais aventureiras com toda a família agora, com os gêmeos chegando mais perto dos quatro anos. Só com a mais velha, de sete, as coisas eram mais fáceis... Até há pouco, o melhor destino é aonde o carro chegue, rápido. Mas converso muito com os pais, na Clínica, e vou acumulando dicas e dicas... E tenho na internet a grande fonte de consultas (como todo mundo...). Algumas dicas da rede:

Gosto muito de Nova York e já fiz uma vez "whit kids". Mas tenho certeza que se eu conhecesse este blog antes, a viagem teria sido ainda mais proveitosa: NY WITH KIDS. É um blog escrito por uma mãe, brasileira, que mora em Nova York.

Outro roteiro que várias pessoas fizeram e vão fazer é Buenos Aires e arredores. A Argentina é um pais que "gosta" de crianças. Para dicas, BUENOS AIRES PARA NIÑOS.

E acho que Orlando mais uma vez será o "top ten" - pelo menos se depender dos meus pacientes...muitos vão para lá. O site http://allears.net/ não é blog, mas é um guia excelente, de todos os parques, hotéis, meios de transporte. Ajuda muito. O conteúdo é em inglês.

E para um super-guia, que fala de diversos destinos, o VIAJANDO COM PIMPOLHOS é dos mais completos.

Com estes blogs e sites, a viagem pode começar muito antes... Para quem gosta de se programar, pratos cheios.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Papinhas Prontas - Postado por Jairo Len

Na época de férias reiniciam-se os debates calorosos sobre as papinhas prontas (no Brasil, só da Nestlé) versus papinhas feitas em casa - qual é melhor?
A nova geração de mães não tem muito preconceito, mas algumas avós quase infartam quando eu digo que o uso das papas industrializadas não tem qualquer problema.
Há estudos científicos mostrando que o valor nutricional das papas prontas é superior ao da papa caseira.
"Porque? Impossível!"... é o que eu sempre ouço. Não é impossível, porque a Nestlé usa legumes e verduras selecionados, faz cozimento em vapor de alta temperatura, rápido resfriamento...enfim, técnicas que sabidamente preservam os nutrientes. Não tem corantes nem conservantes artificiais.
O único problema que eu vejo é que a grade de papinhas, no Brasil, é pequena.
São oito tipos de "sopas" e quatro das "papas" semi-sólidas. Algumas crianças não aceitam nenhuma delas, outros, depois de provar, não aceitam mais as papas caseiras. Mas a maioria se dá bem no uso esporádico, aonde não vejo nenhuma restrição no quesito nutricional.
Vale para as papas de frutas e para as salgadas.
Quem mora nos Estados Unidos tem mais opções e menos preconceito em usar estes alimentos. Além, claro, da praticidade. É bem mais fácil fazer papinhas em casa quando há uma cozinheira que as faça, lave panelas e recipientes, e uma babá para cuidar da criança.

No dia-a-dia da Clínica vejo que existe de tudo. Mães que fazem questão de - elas mesmas - preparar as papinhas dos seus filhos, outras que a babá ou a cozinheira elaboram, muitas que as avós preparam (e as crianças só aceitam as papinhas feitas pelas avós), outras compram papas "caseiras" congeladas (ótima opção de emergência!!) e, por fim, as que me confidenciam que "só vão usar papinhas Nestlé".
Tenho certeza que todas crescerão bem nutridas, e que o problema alimentar das criança foge desta polêmica.

O problema alimentar aparece depois das papinhas...


quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Vitamina D - Postado por Jairo Len

O uso e desuso dos suplementos vitamínicos é assunto de eterna discussão, científica ou não.
Como sabem, sempre recomendei o uso de polivitamínicos pelas crianças. Nas doses recomendadas pelas entidades pediátricas confiáveis (AAP - Academia Americana de Pediatria e ESPGHAN - Sociedade Européia de Gastroenterologia Pediátrica, Nutrição e Hepatologia).
Vira e mexe algum cientista diz que o ideal são doses mais altas: no caso da vitamina D, sabemos que a dose recomendada diária é de 400 a 600 U. Seguro e eficaz na prevenção do raquitismo, osteopenia e osteoporose, além de prevenção de doenças vasculares e cardíacas. Um estudo mostrou que doses acima de 2.000 U ao dia tem relação com aumento de algumas doenças, como cálculos renais - sem trazer qualquer benefício adicional a quem usa.
Coitadas daquelas crianças que ainda (!!!) recebem as ampolas de Aderogyl por via oral - cada ampola tem 66.000 U de vitamina D - 110 vezes mais do que a dose máxima diária recomendada.

Modismos a parte, tenho feito rotineiramente a dosagem de vitamina-D nas crianças e adolescentes, na hora do check up. Todos os que estão sem suplementos vitamínicos apresentam níveis baixos da vitamina. E alterações nos exames que mostram o metabolismo do cálcio.

Como a vitamina D está presente em quantidades muito baixas e em poucos alimentos - sua fonte natural é a exposição solar sem bloqueador - a única forma de reposição são os suplementos. Preferencialmente aqueles que existem nas farmácias, produzidos pelos grandes e confiáveis laboratórios, nas doses certas. Lembre-se que fomos "programados" para viver 30 a 40 anos, e vivemos quase uma centena de anos. É preciso se preparar para o futuro.
Quem comer isso todo dia, explode.